Últimos dias antes do Natal – 21 de dezembro do Advento « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 21/12/2017

Últimos dias antes do Natal – 21 de dezembro do Advento

a010021 de Dezembro de 2017

Cor: Roxo

1ª Leitura ( Ct 2,8-14)

Eis o meu amado que vem saltando pelos montes.

Leitura do Cântico dos Cânticos
É a voz do meu amado!
Eis que ele vem
saltando pelos montes,
pulando sobre as colinas.
O meu amado parece uma gazela,
ou um cervo ainda novo.
Eis que ele está de pé atrás de nossa parede,
espiando pelas janelas,
observando através das grades.
O meu amado me fala dizendo:
‘Levanta-te, minha amada,
minha rola, formosa minha, e vem!
O inverno já passou,
as chuvas pararam e já se foram.
No campo aparecem as flores,
chegou o tempo das canções,
a rola já faz ouvir
seu canto em nossa terra.
Da figueira brotam os primeiros frutos,
soltam perfume as vinhas em flor.
Levanta-te, minha amada,
formosa minha, e vem!
Minha rola, que moras nas fendas da rocha,
no esconderijo escarpado,
mostra-me teu rosto,
deixa-me ouvir tua voz!
Pois a tua voz é tão doce,
e gracioso o teu semblante’.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 32 (33), 2-3. 11-12. 20-21 (R. 1a.3a)

R. Ó justos, alegrai-vos no Senhor!
Cantai para o Senhor um canto novo!

Dai graças ao Senhor ao som da harpa, *
na lira de dez cordas celebrai-o!
Cantai para o Senhor um canto novo, *
com arte sustentai a louvação!R.

Mas os desígnios do Senhor são para sempre, +
e os pensamentos que ele traz no coração, *
de geração em geração, vão perdurar.
Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, *
e a nação que escolheu por sua herança! R.

No Senhor nós esperamos confiantes, *
porque ele é nosso auxílio e proteção!
Por isso o nosso coração se alegra nele, *
seu santo nome é nossa única esperança.R.


Evangelho (Lc 1,39-45)

Como posso merecer que a mãe do
meu Senhor me venha visitar?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas
Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa,
dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia.
Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel.
Quando Isabel ouviu a saudação de Maria,
a criança pulou no seu ventre
e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.
Com um grande grito, exclamou:
‘Bendita és tu entre as mulheres
e bendito é o fruto do teu ventre!’
Como posso merecer
que a mãe do meu Senhor me venha visitar?
Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos,
a criança pulou de alegria no meu ventre.
Bem-aventurada aquela que acreditou,
porque será cumprido, o que o Senhor lhe prometeu.’
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Santo Do Dia

São Pedro Canísio

São Pedro Canísio Quando, a 2 de setembro de 1549, São Pedro Canísio obteve a bênção do Papa Paulo III para a sua missão na Alemanha, ajoelhou-se junto do túmulo de Pedro, Príncipe dos Apóstolos, para orar. Aquilo que viveu interiormente plasmou-o de maneira tão profunda, que num trecho das suas confissões afirma: «Tu sabes, ó Senhor, quão intensamente naquele dia me confiaste a Alemanha. A partir de então, a Alemanha ocupou sempre mais os meus pensamentos e desejei, ardentemente, oferecer a minha vida pela sua salvação eterna». Este era o programa de vida, ao qual permaneceu heroicamente fiel até à sua morte serena, no dia 21 de dezembro de 1597.

Na sua Encíclica Militantis Ecclesiae, de 1º de agosto de 1897, Leão XIII, definiu justamente e com honra, «segundo Apóstolo da Alemanha», aquele que o Papa Pio IX beatificara a 20 de novembro de 1864. Quando, no dia 21 de maio de 1925, foi elevado às honras dos altares pelo Papa Pio XI, adquiriu o título de Doutor da Igreja.

Peter Kanijs para os latinos, Pedro Canísio nasceu no dia 8 de maio 1521, no ducado de Geldern, atual Holanda. Quando criança, preferia os livros de oração às brincadeiras. Muito estudioso, com quinze anos seu pai o mandou estudar em Colônia e, com dezenove, recebeu o título de doutor em Filosofia. Mas não aprendeu somente as ciências terrenas. Com um mestre profundamente católico, Pedro também mergulhou, prazerosamente, nos estudos da doutrina de Cristo, fazendo despertar a vocação que se adivinhava desde a infância.

No ano seguinte ao da sua formatura, os pais, que planejaram um belo futuro financeiro para a família, lhe arranjaram um bom casamento. Mas Pedro Canísio recusou. Não só recusou como aproveitou e fez voto eterno de castidade. Foi para Mainz, dedicar-se apenas ao estudo da religião. Orientado pelo padre Faber, célebre discípulo do futuro Santo Inácio de Loyola, em 1543 ingressou na recém-fundada Companhia de Jesus. Três anos depois, ordenado padre jesuíta, recebeu a incumbência de voltar para Colônia e fundar uma nova Casa para a Ordem. Assim começou sua luta contra um cisma que abalou e dividiu a Igreja: o protestantismo.

Pedro Canísio serviu de múltiplos modos a Igreja na Alemanha. Também quando se dedicou a atividades políticas e organizativas, o objetivo da sua obra permaneceu o anúncio da verdade, e foram sempre a catequese e a pastoral o fio condutor da sua rica produção. Tanto o apreço extraordinário que obteve das autoridades eclesiásticas e seculares, como os obstáculos que os seus detratores tentaram erguer no seu caminho, demonstram o modo como conviveram nele sinceridade e bom senso.

O Santo dedicou particular atenção aos jovens, em cuja formação intelectual e religiosa via um pressuposto essencial para um futuro católico da Alemanha. Esta atividade era reconhecida pelos seus coirmãos na Companhia de Jesus, cujo fruto foi a criação, em poucos decênios, de uma elite espiritual que se tornou o elemento propulsor daquela época cultural.

Quando era professor de Teologia em Colônia, sendo respeitado até pelo imperador, Pedro Canísio conseguiu a deposição do arcebispo local, que era abertamente favorável aos protestantes. Depois, participou do Concílio de Trento, representando o cardeal Oto de Augsburg. Pregou e combateu o cisma, ainda, em Roma e Messina, onde lecionou Teologia. Mas teve de voltar à Alemanha, pois sua presença se fazia necessária em Viena, onde o protestantismo fazia enormes estragos.

Foi nesse período que sua luta incansável trouxe mais frutos e que também escreveu a maior parte de suas obras literárias. Fundou colégios católicos em Viena, Praga, Baviera, Colônia, Innsbruck e Dillingen. Foi nomeado pelo próprio fundador, Inácio de Loyola, provincial da Ordem para a Alemanha e a Áustria. Pregou em Strasburg, Friburg e até na Polônia, sempre denunciando os seguidores do sacerdote Lutero, pai do protestantismo.

Admirado pelos pontífices e governantes do seu tempo, respeitado como primeiro jesuíta de nacionalidade alemã, Pedro Canísio morreu em 21 de dezembro de 1597, em Friburg, atual Suíça, após cinquenta e quatro anos de dedicação à Companhia de Jesus e à Igreja. Foi canonizado por Pio XI, em 1925, para ser festejado, no dia de sua morte, como são Pedro Canísio, Doutor da Igreja, título que também recebeu nessa ocasião.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Glicério e Temístocles..

Fonte:Franciscanos.org.com