(49) 3442.0358

Liturgia diária › 22/04/2017

Sábado na Oitava da da Páscoa

anucio22 de Abril de 2017

Cor: Branco

1ª Leitura (At 4,13-21)

Quanto a nós, não nos podemos calar
sobre o que vimos e ouvimos.

Leitura dos Atos dos Apóstolos
Naqueles dias:
Os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas,
ficaram admirados ao ver a segurança
com que Pedro e João falavam,
pois eram pessoas simples e sem instrução.
Reconheciam que eles tinham estado com Jesus.
No entanto viam, de pé, junto a eles,
o homem que tinha sido curado.
E não podiam dizer nada em contrário.
Mandaram que saíssem para fora do Sinédrio,
e começaram a discutir entre si:
‘O que vamos fazer com esses homens?
Eles realizaram um milagre claríssimo,
e o fato tornou-se de tal modo conhecido
por todos os habitantes de Jerusalém,
que não podemos negá-lo.
Contudo, a fim de que a coisa
não se espalhe ainda mais entre o povo,
vamos ameaçá-los, para que não falem mais a ninguém
a respeito do nome de Jesus.’
Chamaram de novo Pedro e João
e ordenaram-lhes que, de modo algum,
falassem ou ensinassem em nome de Jesus.
Pedro e João responderam:
‘Julgai vós mesmos, se é justo diante de Deus
que obedeçamos a vós e não a Deus!
Quanto a nós, não nos podemos calar
sobre o que vimos e ouvimos.’
Então, insistindo em suas ameaças,
deixaram Pedro e João em liberdade,
já que não tinham meio de castigá-los,
por causa do povo.
Pois todos glorificavam a Deus
pelo que havia acontecido.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 117, 1.14-15. 16ab.18. 19-21 (R. 21a)

R. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes.

Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

 
Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! *
‘Eterna é a sua misericórdia!’
O Senhor é minha força e o meu canto, *
e tornou-se para mim o Salvador.
‘Clamores de alegria e de vitória *
ressoem pelas tendas dos fiéis.R.

aA mão direita do Senhor fez maravilhas, +
ba mão direita do Senhor me levantou, *
a mão direita do Senhor fez maravilhas!’
O Senhor severamente me provou, *
mas não me abandonou às mãos da morte.R.

Abri-me vós, abri-me as portas da justiça; *
quero entrar para dar graças ao Senhor!
‘Sim, esta é a porta do Senhor, *
por ela só os justos entrarão!’
Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes *
e vos tornastes para mim o Salvador!R.


Evangelho ( Mc 16,9-15 )

Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho.

+ Proclamaçóo do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos
Depois de ressuscitar,
na madrugada do primeiro dia após o sábado,
Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena,
da qual havia expulsado sete demônios.
Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus,
que estavam de luto e chorando.
Quando ouviram que ele estava vivo
e fora visto por ela, não quiseram acreditar.
Em seguida, Jesus apareceu a dois deles,
com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo.
Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros.
Também a estes não deram crédito.
Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos
enquanto estavam comendo,
repreendeu-os por causa da falta de fé
e pela dureza de coração,
porque não tinham acreditado
naqueles que o tinham visto ressuscitado.
E disse-lhes:
‘Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura!
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Mc 16, 9-15)

Para que possamos conhecer verdadeiramente Jesus, duas coisas são necessárias. A primeira é a atuação da graça divina que nos revela quem é Jesus na sua divindade e na sua atuação messiânica e a segunda é a nossa abertura a essa graça para que possamos acolher a atuação divina em nós. A partir desses dois elementos, podemos compreender melhor qual é o papel do evangelizador e qual a essência da nossa missão. Movidos pelo grande protagonista da missão que é o Espírito Santo, somos chamados a ser canais de graça na vida das pessoas e ao mesmo tempo a preparar os corações das pessoas para que sejam terreno fértil para o evangelho e acolham a Cristo em suas vidas.


zipertSanto Do Dia

São Sotero

São Sotero foi elevado ao papado depois da morte de S. Aniceto. Eusébio conservou passagens de uma carta de agradecimento que S. Dionísio, bispo de Corinto, dirigiu aos romanos e na qual faz alusão à bondade paternal e à liberalidade desse papa, especialmente em relação àqueles que sofriam por causa da fé. S. Dionísio promete que mandaria ler uma carta que Sotero lhe escrevera, nas assembleias dos coríntios, juntamente com aquela do Papa S. Clemente. Houve quem sustentasse que o escrito conhecido como segunda epístola de S. Clemente não é senão essa carta. A Igreja venera Sotero como mártir, mas não se conversou nenhum relato de sua morte.

Sotero foi papa entre 166 e 175, período em que ser cristão era muito difícil e perigoso. Ele foi eleito o sucessor do papa Aniceto, que morreu em 165. Nasceu na cidade de Fondi, na Campânia, Itália, e seu pai se chamava Concórdio.

Durante o seu pontificado, a Igreja ampliou-se bastante. Ele mesmo ordenou inúmeros diáconos, sacerdotes e bispos; e seu pontificado foi exemplar. Disciplinou, por meio das leis canônicas, a participação das mulheres na Igreja, que até então não tinham seu caminho muito bem definido. Mas, sobretudo, o papa Sotero combateu com grande valentia e coragem as heresias que pairavam sobre a Igreja dos tempos iniciais do cristianismo.

No seu tempo, foi extinta a heresia de Montano, que propunha um exagerado rigor de costumes. Era uma doutrina de medo e de pessimismo, porque o fim do mundo sempre poderia acontecer a qualquer momento. Supondo isso, todos os cristãos deveriam viver numa santidade irreal, renunciando ao matrimônio e buscando o sofrimento da penitência constante, porque, segundo Montano, a Igreja não tinha faculdades para perdoar os pecados. Essa doutrina, que também era defendida por Tertuliano e, principalmente, Novaciano, foi condenada pela Igreja na época do papa Sotero.

Ele defendeu a doutrina ensinada por Jesus Cristo e que a Igreja sempre continuou praticando, ou seja, que para o pecador verdadeiramente arrependido não existe pecado, por maior que seja, a que não se possa conceder o perdão. Assim, desapareceu o clima de rigor e pessimismo que tanto atormentava os cristãos, tão contrário ao da doutrina do Evangelho, que prega o amor, o perdão, a alegria e a esperança.

Outra característica do papa Sotero foi sua ardente caridade para com os necessitados. Ele desejava que se vivesse como os primeiros cristãos, citados nos textos dos apóstolos, onde “tudo era comum entre eles” e onde “todos eram um só coração e uma só alma…” Papa Sotero pedia esmolas para as dioceses mais ricas, para que fossem distribuídas entre as mais pobres e esforçava-se “por tratar a todos com palavras e obras, como um pai trata os seus filhos”.

Ele foi um eloquente defensor dos cristãos perseguidos e deixou isso registrado na carta que enviou especialmente para os de Corinto. Os vestígios dela foram encontrados quando Eusébio de Cesaréia entregou a ele a eufórica resposta de Dionísio, em agradecimento pelo conforto que o valoroso papa levou aos corações aflitos pela morte iminente.

Provavelmente, foi este corajoso apoio que levou ao martírio o papa Sotero, que morreu em 20 ou 22 de abril de 175, pela perseguição do imperador Marco Aurélio. Segundo uma antiga tradição, mantida pela Igreja, são Sotero é homenageado no dia 22 de abril.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Bartolomeu de Cervere e Miles

Fonte:Franciscanos.org.com