Sábado da 31ª Semana do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 11/11/2017

Sábado da 31ª Semana do Tempo Comum

dinheiro11 de Novembro de 2017

S. Martinho de Tours B, memóriaCor: Branco

1ª Leitura (Rm 16,3-9.16.22-27)

Saudai-vos uns aos outros com o beijo santo.

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos
Irmãos:
Saudai Prisca e Áquila,
colaboradores meus em Cristo Jesus,
os quais expuseram a sua própria vida para salvar a minha.
Por isso, eu lhes sou agradecido;
não somente eu, mas também todas as igrejas do mundo pagão.
Saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles.
Saudai meu muito estimado Epêneto,
que faz parte dos primeiros frutos da Ásia para Cristo.
Saudai Maria, que trabalhou muito em proveito vosso.
Saudai Andrônico e Júnias,
meus parentes e companheiros de prisão,
apóstolos notáveis
e que se tornaram discípulos de Cristo antes de mim.
Saudai Ampliato, a quem estimo muito no Senhor.
Saudai Urbano, nosso colaborador em Cristo,
e a meu caríssimo Estáquis.
Saudai-vos uns aos outros com o beijo santo.
Todas as igrejas de Cristo vos saúdam.
Saúdo-vos eu Tércio, que escrevo esta epístola no Senhor.
Saúda-vos Caio, meu hóspede e de toda a Igreja.
Saúda-vos Erasto, tesoureiro da cidade, e o irmão Quarto.
Glória seja dada
àquele que tem o poder de vos confirmar
na fidelidade ao meu evangelho
e à pregação de Jesus Cristo,
de acordo com a revelação do mistério
mantido em sigilo desde sempre.
Agora este mistério foi manifestado
e, mediante as Escrituras proféticas,
conforme determinação do Deus eterno,
foi levado ao conhecimento de todas as nações,
para trazê-las à obediência da fé.
A ele, o único Deus, o sábio,
por meio de Jesus Cristo,
a glória, pelos séculos dos séculos. Amém!
Palavra do Senhor.
Graças a Deus.


Salmo (Sl 144 (145),2-3. 4-5. 10-11 (R. Cf. 1b)

R. Bendirei o vosso nome pelos séculos, Senhor!

Todos os dias haverei de bendizer-vos, *
hei de louvar o vosso nome para sempre.
Grande é o Senhor e muito digno de louvores, *
e ninguém pode medir sua grandeza.R.

Uma idade conta à outra vossas obras *
e publica os vossos feitos poderosos;
proclamam todos o esplendor de vossa glória *
e divulgam vossas obras portentosas!R.

Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, *
e os vossos santos com louvores vos bendigam!
Narrem a glória e o esplendor do vosso reino *
e saibam proclamar vosso poder!R.


Evangelho (Lc 16,9-15)

Por isso, se vós não sois fiéis no uso do dinheiro injusto,
quem vos confiará o verdadeiro bem?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
Usai o dinheiro injusto para fazer amigos,
pois, quando acabar, eles vos receberão nas moradas eternas.
Quem é fiel nas pequenas coisas
também é fiel nas grandes,
e quem é injusto nas pequenas
também é injusto nas grandes.
Por isso, se vós não sois fiéis
no uso do dinheiro injusto,
quem vos confiará o verdadeiro bem?
E se não sois fiéis no que é dos outros,
quem vos dará aquilo que é vosso?
Ninguém pode servir a dois senhores.
porque ou odiará um e amará o outro,
ou se apegará a um e desprezará o outro.
Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro.’
Os fariseus, que eram amigos do dinheiro,
ouviam tudo isso e riam de Jesus.
Então, Jesus lhes disse:
‘Vós gostais de parecer justos diante dos homens,
mas Deus conhece vossos corações.
Com efeito, o que é importante para os homens,
é detestável para Deus.’
Palavra da Salvação.
– Gloria a vós Senhor.


martinhoSanto do Dia.

São Martinho de Tours

11“Senhor, se o vosso povo precisa de mim, não vou fugir do trabalho. Seja feita a vossa vontade”, dizia Martinho, bispo de Tours, aos oitenta e um anos de idade.

Ele despertou para a fé quando ainda menino e depois, mesmo soldado da cavalaria do exército romano, jamais abandonou os ensinamentos de Cristo. A sua vida foi uma verdadeira cruzada contra os pagãos e em favor do cristianismo. Quatro mil igrejas dedicadas a ele na França, e o seu nome dado a milhares de localidades, povoados e vilas; como em toda a Europa, nas Américas. Enfim, em todos os países do mundo.

Martinho nasceu na Hungria, antiga Panônia, por volta do ano 316, e pertencia a uma família pagã. Seu pai era comandante do exército romano. Por curiosidade começou a frequentar uma Igreja cristã, ainda criança, sendo instruído na doutrina cristã, porém sem receber o batismo. Ao atingir a adolescência, para tê-lo mais à sua volta, seu pai o alistou na cavalaria do exército imperial. Mas se o intuito do pai era afastá-lo da Igreja, o resultado foi inverso, pois Martinho continuava praticando os ensinamentos cristãos, principalmente a caridade. Depois, foi destinado a prestar serviço na Gália, atual França.

Foi nessa época que ocorreu o famoso episódio do manto. Um dia, um mendigo que tiritava de frio pediu-lhe esmola e, como não tinha, o cavalariano cortou seu próprio manto com a espada, dando metade ao pedinte. Durante a noite, o próprio Jesus apareceu-lhe em sonho usando o pedaço de manta que dera ao mendigo e agradeceu a Martinho por tê-lo aquecido no frio. Dessa noite em diante, ele decidiu que deixaria as fileiras militares para dedicar-se à religião.

Com vinte e dois anos, já estava batizado, provavelmente pelo bispo de Amiens, afastado da vida da Corte e do exército. Tornou-se monge e discípulo do famoso bispo de Poitiers, santo Hilário, que o ordenou diácono. Mais tarde, quando voltou do exílio, em 360, doou a Martinho um terreno em Ligugé, a doze quilômetros de Poitiers. Lá, Martinho fundou uma comunidade de monges. Mas logo eram tantos jovens religiosos que buscavam sua orientação que Martinho construiu o primeiro mosteiro da França e da Europa ocidental.

No Ocidente, ao contrário do Oriente, os monges podiam exercer o sacerdócio para que se tornassem apóstolos na evangelização. Martinho liderou, então, a conversão de muitos e muitos habitantes da região rural. Com seus monges, ele visitava as aldeias pagãs, pregava o Evangelho, derrubava templos e ídolos e construía igrejas. Onde encontrava resistência, fundava um mosteiro. Com os monges evangelizando pelo exemplo da caridade cristã, logo todo o povo se convertia. Dizem os escritos que, nessa época, havia recebido dons místicos, operando muitos prodígios em beneficio dos pobres e doentes que tanto amparava.

Quando ficou vaga a diocese de Tours, em 371, o povo aclamou-o, unanimemente, para ser o bispo. Martinho aceitou, apesar de resistir no início. Mas não abandonou sua peregrinação apostólica: visitava todas as paróquias, zelava pelo culto e não desistiu de converter pagãos e exercer exemplarmente a caridade. Nas proximidades da cidade, fundou outro mosteiro, chamado de Marmoutier. E sua influência não se limitou a Tours, tendo se expandido por toda a França, tornando-o querido e amado por todo o povo.

Martinho exerceu o bispado por vinte e cinco anos. Morreu, aos oitenta e um anos, na cidade de Candes, no dia 8 de novembro de 397. Sua festa é comemorada no dia 11, data em que foi sepultado na cidade de Tours.

Venerado como são Martinho de Tours, ele se tornou o primeiro santo não-mártir a receber culto oficial da Igreja e também um dos santos mais populares da Europa medieval.

Fonte:Franciscanos.org.com