(49) 3442.0358

Liturgia diária › 09/09/2017

Sábado da 22ª Semana do Tempo Comum

Asabado9 de Setembro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Cl 1,21-23)

Deus vos reconciliou
para vos apresentar como santos, imaculados.

Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses
Irmãos:
E vós, que outrora éreis estrangeiros
e inimigos pelas manifestas más obras,
eis que agora Cristo vos reconciliou
pela morte que sofreu no seu corpo mortal,
para vos apresentar como santos, imaculados,
irrepreensíveis diante de si.
Mas é necessário que permaneçais inabaláveis e firmes na fé,
sem vos afastardes da esperança que vos dá o evangelho,
que ouvistes, que foi anunciado a toda criatura debaixo do céu
e do qual eu, Paulo, me tornei ministro.
– Palavra do Senhor.
Graças a Deus.


Salmo (Sl 53,3-4. 6.8 (R. 6a)

R. Quem me protege e me ampara é meu Deus.

 

 

Por vosso nome, salvai-me, Senhor; *
e dai-me a vossa justiça!
Ó meu Deus, atendei minha prece *
e escutai as palavras que eu digo!R.

Quem me protege e me ampara é meu Deus; *
é o Senhor quem sustenta minha vida!
Quero ofertar-vos o meu sacrifício *
de coração e com muita alegria;
quero louvar, ó Senhor, vosso nome, *
quero cantar vosso nome que é bom!R.


Evangelho =( Lc 6,1-5)

Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas
Num sábado, Jesus estava passando
através de plantações de trigo.
Seus discípulos arrancavam e comiam as espigas,
debulhando-as com as mãos.
Então alguns fariseus disseram:
‘Por que fazeis
o que não é permitido em dia de sábado?’
Jesus respondeu-lhes:
‘Acaso vós não lestes
o que Davi e seus companheiros fizeram,
quando estavam sentindo fome?
Davi entrou na casa de Deus,
pegou dos pães oferecidos a Deus e os comeu,
e ainda por cima os deu a seus companheiros.
No entanto, só os sacerdotes podem comer desses pães.’
E Jesus acrescentou:
‘O Filho do Homem é senhor também do sábado.’
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


ApedroSanto Do Dia

São Pedro Claver

09Os escravos negros que chegavam em enormes navios negreiros ao porto de Cartagena, na Colômbia, eram recepcionados e aliviados de suas dores e sofrimentos por um missionário que, além de alimento, vinho e tabaco, oferecia palavras de fé para aquecer seus corações e dar-lhes esperança. Para quem vivia com corrente nos pés e sob o açoite dos feitores, a esperança vinha de Nosso Senhor.

Esse missionário era Pedro de Claver, nascido no povoado de Verdú, em Barcelona, na Espanha, em 26 de junho de 1580. Filho de um casal de simples camponeses muito cristãos, desde cedo revelou sua vocação. Estudou no Colégio dos Jesuítas e, em 1602, entrou para a Companhia de Jesus, para tornar-se um deles.

Quando terminou os estudos teológicos, Pedro de Claver viajou com uma missão para Cartagena, hoje cidade da Colômbia, na América do Sul. Iniciou seu apostolado antes mesmo de ser ordenado sacerdote, o que ocorreu logo em seguida, em 1616, naquela cidade. E assim, foi enviado para Carque, evangelizar os escravos que chegavam da África. Apesar de não entenderem sua língua, entendiam a linguagem do amor, da caridade e do sentimento cristão e paternal que emanavam daquele padre santo. Por esse motivo os escravos negros o veneravam e respeitavam como um justo e bondoso pai.

Em sua missão, lutava ao lado dos negros e sofria com eles as mesmas agruras. O que podia fazer por eles era mitigar seus sofrimentos e oferecer-lhes a salvação eterna. Com essa proposta, Pedro de Claver batizou cerca de quatrocentos mil negros durante os quarenta anos de missão apostólica. Foram atribuídos a ele, ainda, muitos milagres de cura.

Durante a peste, em 1650, ele foi o primeiro a oferecer-se para tratar os doentes. As consequências foram fatais: em sua peregrinação entre os contaminados, foi atacado pela epidemia, que o deixou paralítico. Depois de quatro anos de sofrimento, Pedro de Claver morreu aos setenta e três anos de idade, em 8 de setembro de 1654, no dia na festa da Natividade da Virgem Maria.

Foi canonizado pelo papa Leão XIII em 1888. São Pedro Claver foi proclamado padroeiro especial de todas as missões católicas entre os negros em 1896. Sua festa, em razão da solenidade mariana, foi marcada para 9 de setembro, dia seguinte ao da data em que se celebra a sua morte.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: São Tibúrcio.

Fonte:Franciscanos.org.com