Primeiros dias do ano – 02 de janeiro « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 02/01/2017

Primeiros dias do ano – 02 de janeiro

joao-batista-502 de Janeiro de 2017

São Basílio Magno e São Gregório Nazianzeno, Bispos e doutores, memória

Cor litúrgica: Branca

1ª Leitura (1Jo 2,22-28)

Permaneça dentro de vós aquilo que ouvistes desde o princípio.

Leitura da Primeira Carta de São João
Caríssimos:
Quem é mentiroso,
senão aquele que nega que Jesus é o Cristo?
O Anticristo é aquele que nega o Pai e o Filho.
Todo aquele que nega o Filho,
também não possui o Pai.
Quem confessa o Filho,
possui também o Pai.
Permaneça dentro de vós aquilo que ouvistes desde o princípio.
Se o que ouvistes desde o princípio permanecer em vós ,
permanecereis com o Filho e com o Pai.
E esta é a promessa que ele nos fez:
a vida eterna.
Escrevo isto a respeito dos que procuram desencaminhar-vos.
Quanto a vós mesmos,
a unção que recebestes da parte de Jesus permanece convosco,
e não tendes necessidade de que alguém vos ensine.
A sua unção vos ensina tudo,
e ela é verdadeira e não mentirosa.
Por isso, conforme a unção de Jesus vos ensinou,
permanecei nele.
Então, agora, filhinhos, permanecei nele.
Assim poderemos ter plena confiança,
quando ele se manifestar,
e não seremos vergonhosamente afastados dele,
quando da sua vinda.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo 97 (98)

R. Os confins do universo contemplaram
a salvação do nosso Deus.

Cantai ao Senhor Deus um canto novo,*
porque ele fez prodígios!
Sua mão e o seu braço forte e santo*
alcançaram-lhe a vitória.

O Senhor fez conhecer a salvação,*
e às nações, sua justiça;
recordou o seu amor sempre fiel*
pela casa de Israel.

Os confins do universo contemplaram*
da salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira,*
alegrai-vos e exultai!


Evangelho (Jo 1,19-28)

No meio de vós está o que vem após mim.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João
Este foi o testemunho de João,
quando os judeus enviaram de Jerusalém
sacerdotes e levitas para perguntar:
‘Quem és tu?’
João confessou e não negou.
Confessou: ‘Eu não sou o Messias’.
Eles perguntaram: ‘Quem és, então?
És tu Elias?’
João respondeu: ‘Não sou’.
Eles perguntaram: ‘És o Profeta?’
Ele respondeu: ‘Não’.
Perguntaram então: ‘Quem és, afinal?
Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram.
O que dizes de ti mesmo?’
João declarou:
‘Eu sou a voz que grita no deserto:
‘Aplainai o caminho do Senhor`’
– conforme disse o profeta Isaías.
Ora, os que tinham sido enviados
pertenciam aos fariseus
e perguntaram:
‘Por que então andas batizando,
se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?’
João respondeu: ‘Eu batizo com água;
mas no meio de vós está aquele
que vós não conheceis,
e que vem depois de mim.
Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias.’
Isso aconteceu em Betânia além do Jordão,
onde João estava batizando.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós, Senhor.


Reflexão (Jo 1, 19-28)

Sempre que vemos uma pessoa fazendo o bem, corremos o risco de buscar saber se é legitimo a pessoa fazer aquele bem quando, na verdade, deveríamos usufruir daquele bem e procurar descobrir o amor de Deus que se torna manifesto em tudo o que de bom acontece nas nossas vidas. É esse o caso do evangelho de hoje. Os fariseus não querem usufruir do bem que Deus lhes concede por meio de João Batista, mas enviam sacerdotes e levitas para averiguar se o que João está fazendo é certo ou errado e se ele tinha autoridade para fazer o bem.


Santo Do Dia

basilio-50São Basílio Magno

Basílio foi um bispo venerável e um doutor distinto, cuja vida foi escrita por Anfilóquio, bispo de Icônio. Basílio nasceu em Cesareia da Turquia, antiga Capadócia, no ano 329. Pertencia a uma família de santos. Seu avô morreu mártir na perseguição romana. Sua avó era Santa Macrina e sua mãe, Santa Amélia. A irmã, cujo nome homenageia a avó, era religiosa e se tornou santa. Também, seus irmãos: São Pedro, bispo de Sebaste e São Gregório de Nissa, e seu melhor amigo São Gregório Nazianzeno, são honrados pela Igreja.

Eles estão juntos no calendário litúrgico porque tiveram as mesmas aspirações à santidade, os mesmos níveis culturais e alimentaram a mesma chama de vocação à vida monástica. São Basílio é o pioneiro da vida cenobítica no Oriente.

Basílio estudou em Atenas e Constantinopla. Mas, foi sua irmã Macrina que o levou para a vida religiosa. Ela havia fundado um mosteiro onde as religiosas progrediam muito em santidade. Basílio decidiu ir para o Egito aprender com os monges do deserto este modo de viver em solidão. Voltou, consagrou-se monge e escreveu suas famosas “Constituições”, a primeira Regra de vida espiritual destinada aos religiosos. Neste livro se basearam os mais famosos fundadores de comunidades ao redigir os Regulamentos de suas Congregações. Basílio foi eleito bispo de Cesareia, e nesta época o representante do Império tentou fazer com que ele renegasse a Fé, mas ele não o fez. Mesmo tendo a saúde muito frágil, Basílio o enfrentou com um discurso tão eloquente, que este representante desistiu de castigá-lo, percebendo sua admirável santidade e porque já era venerado pelo povo.

Por sua oratória maravilhosa, seus admiráveis escritos e suas inúmeras obras de assistência,

que fez em favor do povo, foi chamado “Basílio Magno”. Era amado por cristãos, judeus e pagãos. Além de sua arrebatadora eloquência, Basílio mantinha uma intensa atividade em favor dos pobres. Doava tudo o que ganhava a eles. Foi o primeiro bispo a fundar um hospital para aos carentes e depois criou asilos e orfanatos.

Muito culto e profundo conhecedor de teologia, filosofia e literatura, seus sermões são repletos de citações da Sagrada Escritura. Escreveu seus textos de maneira agradável, clara, profunda e convincente, dentre os quais, cerca de quatrocentas cartas de rara beleza e de proveitosa leitura para a alma.

Seu pensamento era: depois do amor a Deus, ajudar, e fazer os outros ajudarem, os pobres e marginalizados. Trabalhava e escrevia sem cessar, apesar da saúde débil. Sofrendo de hepatite, quase não podia se alimentar, a ponto de sua pele tocar os ossos.

Morreu em 1º de janeiro de 379, com apenas quarenta e nove anos e foi sepultado no dia seguinte, seguido por uma multidão como nunca acontecera naquela região. Seu amigo de vida e de fé, São Gregório Nazianzeno, também comemorado nesta data; disse no dia do enterro: “Basílio santo, nasceu entre os santos. Basílio pobre viveu pobre entre os pobres. Basílio, filho de mártires, sofreu como um mártir. Basílio pregou sempre; com seus lábios e com seus exemplos, e seguirá pregando sempre com seus escritos admiráveis”.

A Igreja autorizou o seu culto, que foi mantido conforme a tradição, no dia 2 de janeiro, dia em que foi sepultado.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Gregório Nazianzeno e Argeu.

 

Fonte: Franciscanos.org.br