Exaltação da Santa Cruz . Festa « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 14/09/2017

Exaltação da Santa Cruz . Festa

afilho14 de Setembro de 2017

Cor: Vermelho

1ª Leitura (Nm 21,4b-9)

Aquele que for mordido e
olhar para ela viverá.

Leitura do Livro dos Números

Naqueles dias:
Os filhos de Israel partiram do monte Hor,
pelo caminho que leva ao mar Vermelho,
para contornarem o país de Edom.
Durante a viagem o povo começou a impacientar-se,
e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo:
“Por que nos fizestes sair do Egito
para morrermos no deserto?
Não há pão, falta água,
e já estamos com nojo desse alimento miserável”.
Então o Senhor mandou contra o povo
serpentes venenosas,
que os mordiam;
e morreu muita gente em Israel.
O povo foi ter com Moisés e disse:
“Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti.
Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes”.
Moisés intercedeu pelo povo,
e o Senhor respondeu:
“Faze uma serpente de bronze
e coloca-a como sinal sobre uma haste;
aquele que for mordido e olhar para ela viverá”.
Moisés fez, pois, uma serpente de bronze
e colocou-a como sinal sobre uma haste.
Quando alguém era mordido por uma serpente,
e olhava para a serpente de bronze,
ficava curado.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 77(78),1-2.34-35.36-37.38 (R. cf. 7c)

R. Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

 

 

Escuta, ó meu povo, a minha Lei,*
ouve atento as palavras que eu te digo;
brirei a minha boca em parábolas,*
os mistérios do passado lembrarei.R.

Quando os feria, eles então o procuravam,*
convertiam-se correndo para ele;
recordavam que o Senhor é sua rocha*
e que Deus, seu Redentor, é o Deus Altíssimo.R.

Mas apenas o honravam com seus lábios*
e mentiam ao Senhor com suas línguas;
seus corações enganadores eram falsos*
e, infiéis, eles rompiam a Aliança.R.

Mas o Senhor, sempre benigno e compassivo,*
não os matava e perdoava seu pecado;
quantas vezes dominou a sua ira*
e não deu largas à vazão de seu furo R.


2ª Leitura (Fl 2,6-11)

Humilhou-se a si mesmo; por isso,
Deus o exaltou acima de tudo.

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses
Jesus Cristo, existindo em condição divina,
não fez do ser igual a Deus uma usurpação,
mas ele esvaziou-se a si mesmo,
assumindo a condição de escravo
e tornando-se igual aos homens.
Encontrado com aspecto humano,
humilhou-se a si mesmo,
fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz.
Por isso, Deus o exaltou acima de tudo
e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.
10Assim, ao nome de Jesus,
todo joelho se dobre no céu,
na terra e abaixo da terra,
e toda lingua proclame: ‘Jesus Cristo é o Senhor’,
para a glória de Deus Pai.
– Palavra do Senhor.
Graças a Deus.


Evangelho (Jo 3,13-17)

É necessário que o Filho do Homem seja levantado.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos:
“Ninguém subiu ao céu,
a não ser aquele que desceu do céu,
o Filho do Homem.
Do mesmo modo
como Moisés levantou a serpente no deserto,
assim é necessário
que o Filho do Homem seja levantado,
para que todos os que nele crerem
tenham a vida eterna.
Pois Deus amou tanto o mundo,
que deu o seu Filho unigênito,
para que não morra todo o que nele crer,
mas tenha a vida eterna.
De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo
para condenar o mundo,
mas para que o mundo seja salvo por ele”.
Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


amaternoSanto Do Dia.

São Materno de Colônia

14É conhecido apenas como o primeiro bispo da história cristã da cidade de Colônia, na Alemanha. Desde o século IV, criou-se uma tradição cristã, na cidade de Trier, na Alemanha, segundo a qual Materno teria vindo da Palestina. E não é só isso: o próprio apóstolo Pedro é que o teria enviado para divulgar o Evangelho ao mundo germânico. Essa tradição fazia de Trier a primeira sede episcopal cristã da Alemanha, portanto dotada de jurisprudência sobre as demais, por uma questão de antiguidade.

A figura de Materno, o bispo de Colônia, é, de fato, muito importante para a história da Igreja, que já estava liberta das perseguições externas, graças ao imperador Constantino. Mas a Igreja continuava exposta às divisões internas dos cristãos, que, insistentemente, prejudicavam a si próprios.

Materno é um de seus pacificadores, convocado a deixar a Alemanha para resolver um grande conflito nascido no norte da África: o cisma donatista. Liderados pelo bispo Donato, esse grupo de radicais tinha uma visão extremamente elitista, era totalmente contrário às indulgências e pregava a segregação dos bons cristãos daqueles infiéis e traidores. Os donatistas consideravam traidores os cristãos que, por medo, durante a perseguição do imperador Diocleciano, haviam renegado a fé e entregado os livros sagrados às autoridades romanas. Até mesmo negavam-se a aceitar a reinclusão dos sacerdotes que haviam agido dessa maneira, bom como a inclusão de novos sacerdotes, caso também tivessem sido considerados, anteriormente, indignos. E por isso os donatistas de Cartago não reconheciam o novo bispo, Ceciliano, porque um dos bispos que o consagraram havia renegado à fé, durante as perseguições.

Chamado para arbitrar, o imperador Constantino, em 313, escreve ao papa Melquior, de origem africana, para convocar o bispo Ceciliano, bem como outros, favoráveis ou não à sua questão, para uma decisão final, imparcial. E ainda o informa que os bispos Materno, da Alemanha, Retício e Martino, da França, já estavam a caminho de Roma. O imperador Constantino, obedecendo às suas conveniências políticas, promoveu um ato incisivo no colegiado eclesiástico, afiançando o caso africano também aos bispos da Alemanha e da França.

Mais nada se sabe de Materno depois dessa importante missão em Roma, que se concluiu com a sentença favorável ao bispo Ceciliano. Mas o cisma não terminou, mesmo contando, também, com a notável presença de santo Agostinho, bispo de Hipona.

Entretanto, em Trier, a fama de santidade de seu primeiro bispo fez a figura de Materno tomar vulto e a população começa a venerá-lo. Ao longo dos séculos, a catedral de Trier, que abriga as relíquias de são Materno, foi reconstruída e, hoje, podemos ver o grau de devoção dos fiéis estampado nos vitrais desse templo. Seu culto foi autorizado pelo Vaticano, em consequência dessa devoção secular e ainda presente nos fiéis. A data de sua tradicional festa litúrgica, no dia 14 de setembro, foi mantida.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Rósula e Noteburga.

Fonte:Franciscanos.org.com