Epifania do Senhor do Natal « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 07/01/2017

Epifania do Senhor do Natal

reis178 de Janeiro de 2017

Cor: Branco 

1ª Leitura (Is 60, 1-6)

Apareceu sobre ti a gloria do Senhor.

Leitura do Livro do Profeta Isaías

Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou
a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor.
Eis que está a terra envolvida em trevas,
e nuvens escuras cobrem os povos;
mas sobre ti apareceu o Senhor,
e sua glória já se manifesta sobre ti.
Os povos caminham à tua luz
e os reis ao clarão de tua aurora.
Levanta os olhos ao redor e vê:
todos se reuniram e vieram a ti;
teus filhos vêm chegando de longe
com tuas filhas, carregadas nos braços.
Ao vê-los, ficarás radiante,
com o coração vibrando e batendo forte,
pois com eles virão as riquezas de além-mar
e mostrarão o poderio de suas nações;
será uma inundação de camelos
e dromedários de Madiã e Efa a te cobrir;
virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso
e proclamando a glória do Senhor.
 – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 71, 1-2.7-8.10-11.12-13 (R. Cf.11)

R. As nações de toda a terra, hão de adorar-vos ó Senhor!

Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus,*
vossa justiça ao descendente da realeza!
Com justiça ele governe o vosso povo,*
com eqüidade ele julgue os vossos pobres. R.

Nos seus dias a justiça florirá*
e grande paz, até que a lua perca o brilho!
De mar a mar estenderá o seu domínio,*
e desde o rio até os confins de toda a terra! R.

Os reis de Társis e das ilhas hão de vir*
e oferecer-lhes seus presentes e seus dons;
e também os reis de Seba e de Sabá*
hão de trazer-lhe oferendas e tributos.
Os reis de toda a terra hão de adorá-lo,*
e todas as nações hão de servi-lo.R.

Libertará o indigente que suplica,*
e o pobre ao qual ninguém quer ajudar.
Terá pena do indigente e do infeliz,*
e a vida dos humildes salvará. R.


2ª Leitura (Ef 3,2-3a.5-6)

Agora foi-nos revelado que os
pagãos são coherdeiros das promessas.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios

Irmãos:
Se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu
para realizar o seu plano a vosso respeito,
ae como, por revelação, tive conhecimento do mistério.
Este mistério, Deus não o fez conhecer
aos homens das gerações passadas
mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito,
aos seus santos apóstolos e profetas:
os pagãos são admitidos à mesma herança,
são membros do corpo,
são associados à mesma promessa em Jesus Cristo,
por meio do Evangelho.
 – Palavra do Senhor.
 – Graças a Deus.


Evangelho (Mt 2,1-12)

Viemos do Oriente adorar o Rei.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judéia,
no tempo do rei Herodes,
eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém,
perguntando:
‘Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer?
Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo.’
Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado
assim como toda a cidade de Jerusalém.
Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei,
perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer.
Eles responderam: ‘Em Belém, na Judéia,
pois assim foi escrito pelo profeta:
E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum
és a menor entre as principais cidades de Judá,
porque de ti sairá um chefe
que vai ser o pastor de Israel, o meu povo.’
Então Herodes chamou em segredo os magos
e procurou saber deles cuidadosamente
quando a estrela tinha aparecido.
Depois os enviou a Belém, dizendo: ‘Ide e procurai
obter informações exatas sobre o menino.
E, quando o encontrardes, avisai-me,
para que também eu vá adorá-lo.’
Depois que ouviram o rei, eles partiram.
E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante
deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.
Ao verem de novo a estrela,
os magos sentiram uma alegria muito grande.
Quando entraram na casa,
viram o menino com Maria, sua mãe.
Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram.
Depois abriram seus cofres
e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.
Avisados em sonho para não voltarem a Herodes,
retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.
 – Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Santo do Dia

severinoSão Severino

No século V o império romano do Ocidente foi progressivamente submerso pelos invasores germânicos: visigodos, ostrogodos, vândalos, suevos, bargúndios, alamanos e francos. Na devastação geral só as autoridades cristãs constituíam ponto seguro para a sobrevivência. Esse é o contexto histórico em que se inserem a figura e a obra de São Severino, o apóstolo da Nórica.

É muito fácil seguir os passos de Severino nesta trilha de destruição. Em 454, estava nos confins da Nórica e da Pomonia onde, estabelecido às margens do rio Danúbio, na Áustria, além de acolher a população ameaçada usava o local como ponto estratégico para pregar entre os bárbaros pagãos. Já no ano seguinte estava em Melk e no mesmo ano em Ostembur, onde se fixou numa choupana para se entregar também à penitência.

Esse seu ministério apostólico itinerante frutificou em várias cidades, com a fundação de inúmeros mosteiros. Como possuía o dom da profecia, avisou com antecedência várias comunidades sobre sua futura destruição, acertando as datas com exatidão. Temos, por exemplo, o caso dos habitantes de Asturis, aos quais profetizou a morte pelas mãos de Átila, o rei dos hunos que habitavam a Hungria. O povo além de não lhe dar ouvidos considerou o fato com ironia e gozação, mas tombou logo depois de Severino ter deixado o local. Sim, a cidade foi destruída e todos os habitantes assassinados.

Dali ele partiu para Comagaris e, sem o menor receio de perder a vida, chegou até Comagene, já dominada pelos dos inimigos. Lá, acolheu e socorreu os aflitos, ganhando o respeito inclusive dos próprios invasores, a começar pelos chefes dos guerreiros. Sua história registra também incontáveis prodígios e graças operadas na humildade e na pobreza constantes.

Severino predisse até a data exata da própria morte, avisando também sobre a futura expulsão de sua Ordem da região do Danúbio. Morreu no dia 08 de janeiro de 482 pronunciando a última frase do último salmo da Bíblia , (o 150): “Todo ser que tem vida, a deve ao Senhor”.

Segundo o seu biógrafo e discípulo Eugípio, Santo Severino teria nascido no ano 410, na capital do mundo de então, ou seja na cidade de Roma e pertencia a uma família nobre e rica. Era um homem de fino trato, que falava o latim com perfeição, profundamente humilde, pobre e caridoso. Também possuía os dons do conselho, da profecia e da cura, os quais garantiu e manteve até o final de sua vida graças às longas penitências e preces que fazia ao Santíssimo Espírito Santo e ao cumprimento estrito dos votos feitos ao seguir a vocação sacerdotal.

Especialmente venerado na Áustria e Alemanha, hoje, a urna mortuária de Santo Severino se encontra na igreja dos beneditinos em Nápoles, na Itália.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Teófilo, Apolinário de Hierápolis e Antônio de Categeró.

 

Fonte: Franciscanos.org.br