(49) 3442.0358

Liturgia diária › 07/04/2017

6ª-feira da 5ª Semana da Quaresma

prender7 de Abril de 2017

Cor: Roxo

1ª Leitura (Jr 20,10-13)

Ele salvou das mãos dos malvados a vida do pobre.

Leitura do Livro do Profeta Jeremias
Jeremias disse:
Eu ouvi as injúrias de tantos homens
e os vi espalhando o medo em redor:
‘Denunciai-o, denunciemo-lo.’
Todos os amigos observavam minhas falhas:
‘Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo
e desforrar-nos dele.’
Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro;
por isso, os que me perseguem
cairão vencidos.
Por não terem tido êxito,
eles se cobrirão de vergonha.
Eterna infâmia, que nunca se apaga!
O Senhor dos exércitos, que provas o homem justo
e vês os sentimentos do coração,
rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles;
pois eu te declarei a minha causa.
Cantai ao Senhor, louvai o Senhor,
pois ele salvou a vida de um pobre homem
das mãos dos maus.
Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 17, 2-3a. 3bc-4. 5-6. 7 (R. Cf. 7)

R. Ao Senhor eu invoquei na minha angústia
e ele escutou a minha voz.

 

Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, *
minha rocha, meu refúgio e Salvador!R.

Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, +
minha força e poderosa salvação, *
sois meu escudo e proteção: em vós espero!
Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! *
e dos meus perseguidores serei salvo!R.

Ondas da morte me envolveram totalmente, *
e as torrentes da maldade me aterraram;
os laços do abismo me amarraram *
e a própria morte me prendeu em suas redes.R.

Ao Senhor eu invoquei na minha angústia *
e elevei o meu clamor para o meu Deus;
de seu Templo ele escutou a minha voz, *
e chegou a seus ouvidos o meu grito.R.


Evangelho (Jo 10,31-42)

Procuravam prender Jesus,
mas ele escapou-lhes das mãos.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo:
Os judeus pegaram pedras
para apedrejar Jesus.
E ele lhes disse:
‘Por ordem do Pai,
mostrei-vos muitas obras boas.
Por qual delas me quereis apedrejar?’
Os judeus responderam:
‘Não queremos te apedrejar por causa das obras boas,
mas por causa de blasfêmia,
porque sendo apenas um homem,
tu te fazes Deus!’
Jesus disse:
‘Acaso não está escrito na vossa Lei:
‘Eu disse: vós sois deuses’?
Ora, ninguém pode anular a Escritura:
se a Lei chama deuses
as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus,
por que então me acusais de blasfêmia,
quando eu digo que sou Filho de Deus,
eu a quem o Pai consagrou
e enviou ao mundo?
Se não faço as obras do meu Pai,
não acrediteis em mim.
Mas, se eu as faço,
mesmo que não queirais acreditar em mim,
acreditai nas minhas obras,
para que saibais e reconheçais
que o Pai está em mim e eu no Pai.’
Outra vez procuravam prender Jesus,
mas ele escapou das mãos deles.
Jesus passou para o outro lado do Jordão,
e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado.
E permaneceu ali.
Muitos foram ter com ele,
e diziam:
‘João não realizou nenhum sinal,
mas tudo o que ele disse a respeito deste homem,
é verdade.’
E muitos, ali, acreditaram nele.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Jo 10, 31-42)

Quando a gente não está com o coração aberto, não está disposto a acolher a palavra de Jesus, não querendo de fato assumir um compromisso de fé com Deus e com os irmãos, não buscando novos valores e não querendo uma constante mudança de vida para cada vez mais procurar uma união mais íntima e profunda com Deus, qualquer coisa torna-se motivo para a crítica e para a rejeição de Jesus.


batistaSanto Do Dia

São João Batista de La Salle

A tradição da família de La Salle, na França, é muito antiga. No século XVII, descendente de Carlos Magno, Louis de La Salle era conselheiro do Supremo Tribunal quando sua esposa, também de família fidalga, deu à luz a João Batista de La Salle, em 30 de abril de 1651, na casa da rua de L’Arbatete, que ainda existe, na cidade de Reims.

O casal não era nobre só por descendência, ambos tinham também nobreza de espírito e seguiam os ensinamentos católicos, que repassaram aos sete filhos. João Batista era o mais velho deles. Dos demais, uma das filhas tornou-se religiosa, entrando para o convento de Santo Estevão, em Reims. Dois outros filhos ocuparam cargos elevados no clero secular, mas João Batista revelou-se o mais privilegiado em termos espirituais.

Desde pequeno a vocação se apresentava no garoto, que gostava de improvisar um pequeno altar para brincar de realizar os atos litúrgicos que assistia com a mãe. Paralelamente, teve no pai o primeiro professor. Apaixonado por música clássica, sacra e profana, toda semana havia, na casa dos de La Salle, uma “tarde musical”, onde se apresentavam os melhores e mais importantes artistas da cidade, assistidos pelas famílias mais prestigiadas de Reims. João Batista fazia parte da apresentação, executando as músicas de caráter religioso, o que fez com que o pai o estimulasse a ingressar no coral dos cônegos da catedral. Entretanto, no íntimo, o desejo dos seus pais era que ele seguisse uma carreira política.

Mas esse desejo durou pouco tempo, pois, na hora de definir sua profissão, João Batista confessou que queria ser padre. Seu pai entendeu que não poderia disputar o filho com Deus e ordenou que ele seguisse a voz do Criador, para onde fosse chamado. Ainda jovem, tornou-se coroinha e, com dezesseis anos, era nomeado cônego da catedral de Reims. Como tinha muita cultura e apreciava os estudos, com dezoito anos recebeu o título de mestre das Artes Livres, entrou para a Universidade de Sorbonne e passou a morar no seminário Santo Sulpício, em Paris. Ali se tornou catequista, chegando a ensinar um total de quatro mil crianças, preparando-as para a primeira comunhão.

Ao sair do seminário, João Batista, com vinte e um anos, tinha já perdido o pai e a mãe. Cuidou dos irmãos e depois pôde vestir a batina, em 1678, quando, finalmente, se ordenou sacerdote. Fundou uma escola para a formação de professores leigos e, mesmo em meio a todo esse trabalho, continuou estudando teologia, até receber o título de doutor, em 1681.

Fundou, ainda, a Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que em pouco tempo necessitou da implantação de muitas casas. Tão rápido cresceu a Ordem, que já em 1700 foi possível inaugurar um seminário, onde se lecionava pedagogia, leitura, gramática, física, matemática, catolicismo e canto litúrgico. Ele teve a grata felicidade de ver a congregação comportando setecentos e cinquenta irmãos, possuindo cento e quatorze escolas e sendo frequentadas por trinta e um mil alunos, todos pobres.

Aqui no Brasil, os Irmãos das Escolas Cristãs se estabeleceram em 1907, espalhando-se pelos estados do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Ele morreu numa Sexta-Feira Santa, no dia 7 abril de 1719, em Rouen, e foi canonizado, em 1900, pelo papa Pio X. São João Batista de La Salle foi proclamado “padroeiro celeste, junto a Deus, de todos os educadores”, pelo papa Pio XII.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Ursulina e Guilherme de Scicli.
Fonte:Franciscanos.org.com