(49) 3442.0358

Liturgia diária › 10/03/2017

6ª-feira da 1ª Semana da Quaresma

irmao10 de Março de 2017

Cor: Roxo

1ª Leitura (Ez 18,21-28 )

Será que eu tenho prazer na morte do ímpio?
Não desejo, antes, que mude de conduta e viva?

Leitura da Profecia de Ezequiel
Assim fala o Senhor:
Se o ímpio se arrepender de todos os pecados cometidos,
e guardar todas as minhas leis,
e praticar o direito e a justiça,
viverá com certeza e não morrerá.
Nenhum dos pecados que cometeu será lembrado contra ele.
Viverá por causa da justiça que praticou.
Será que eu tenho prazer na morte do ímpio?
– oráculo do Senhor Deus.
Não desejo, antes, que mude de conduta e viva?
Mas, se o justo se desviar de sua justiça e praticar o mal,
imitando todas as práticas detestáveis feitas pelo ímpio,
poderá fazer isso e viver?
Da justiça que ele praticou,
nada mais será lembrado.
Por causa da infidelidade e do pecado que cometeu,
por causa disso morrerá.
Mas vós andais dizendo:
‘A conduta do Senhor não é correta`.
Ouvi, vós da casa de Israel:
É a minha conduta que não é correta,
ou antes é a vossa conduta que não é correta?
Quando um justo se desvia da justiça,
pratica o mal e morre,
é por causa do mal praticado que ele morre.
Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou
e observa o direito e a justiça,
conserva a própria vida.
Arrependendo-se de todos os seus pecados,
com certeza viverá;
não morrerá.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 129, 1-2. 3-4. 5-6. 7-8 (R. 3)

R. Se levardes em conta nossas faltas,
 quem haverá de subsistir?

 
Das profundezas eu clamo a vós, Senhor,*
escutai a minha voz!
Vossos ouvidos estejam bem atentos*
ao clamor da minha prece!R.

Se levardes em conta nossas faltas,*
quem haverá de subsistir?
Mas em vós se encontra o perdão,*
eu vos temo e em vós espero.R.

No Senhor ponho a minha esperança,*
espero em sua palavra.
A minh’alma espera no Senhor*
mais que o vigia pela aurora.R.

Espere Israel pelo Senhor,*
pois no Senhor se encontra toda graça e copiosa redenção.
Ele vem libertar a Israel*
de toda a sua culpa.R.


Evangelho (Mt 5,20-26)

Primeiro reconciliar-te com o teu irmão.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
Se a vossa justiça não for maior
que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus,
vós não entrareis no Reino dos Céus.
Vósouvistes o que foi dito aos antigos:
‘Não matarás!
Quem matar será condenado pelo tribunal’.
Eu, porém, vos digo:
todo aquele que se encoleriza com seu irmão
será réu em juízo;
quem disser ao seu irmão: ‘patife!’
será condenado pelo tribunal;
quem chamar o irmão de ‘tolo’
será condenado ao fogo do inferno.
Portanto, quando tu estiveres levando
a tua oferta para o altar, e ali te lembrares
que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
deixa a tua oferta ali diante do altar,
e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão.
Só então vai apresentar a tua oferta.
Procura reconciliar-te com teu adversário,
enquanto caminha contigo para o tribunal.
Senão o adversário te entregará ao juiz,
o juiz te entregará ao oficial de justiça,
e tu serás jogado na prisão.
Em verdade eu te digo: dali não sairás,
enquanto não pagares o último centavo.
– Palavra da Salvação.
 – Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Mt 5, 20-26)

Todas as pessoas costumam falar em justiça ,mas para a maioria delas o fundamento dessa justiça são princípios e valores humanos, principalmente o que está escrito nas leis. Para nós cristãos, esse critério não é suficiente para entendermos verdadeiramente o que é justiça. Não é suficiente em primeiro lugar porque nem tudo o que é legal, é justo ou moral, como por exemplo a legalização do divórcio, do aborto ou da eutanásia. Também devemos levar em consideração que todas as pessoas, embora sejam seres naturais, possuem um dom de Deus que faz delas superiores à natureza, participantes da vida divina, e como Deus é amor, o amor é, para quem crê, o único e verdadeiro critério da justiça.


simplicioSanto Do Dia

São Simplício

Simplício, natural de Tivoli, na Itália, era filho de Castino. Foi sumo pontífice de 468 a 483.

Nessa época, Roma , depois de resistir às invasões de godos, visigodos, hunos, vândalos e outros povos bárbaros, acabou sucumbindo aos hérulos, chefiados pelo rei Odoacro, que era adepto do arianismo e depôs o imperador Rômulo Augusto. A partir daí, conquistadores de todos os tipos se instalaram, depredaram, destruíram e repartiram aquele Império, tido como o centro do mundo. Roma, que era sua capital, sobreviveu. Nesse melancólico final, a única autoridade moral restante, a que ficou do lado do povo e acolheu, socorreu, escondeu e ajudou a enfrentar o terror, foi a do Papa Simplício.

Ele fazia parte do clero romano e foi eleito para suceder o Papa Hilário. Tinha larga experiência no serviço pastoral e social da Igreja e uma vantagem: ter convivido com o Papa Leão Magno, depois proclamado santo e doutor da Igreja, que deteve a invasão de Átila, o rei dos bárbaros hunos. Ao Papa Simplício, nunca faltou coragem, fé e energia, virtudes fundamentais para o exercício da função. Ele soube manter vivamente ativas as grandes basílicas de São Pedro, São Paulo Fora dos Muros e São Lorenço, que a partir do seu pontificado passaram a acolher os católicos em peregrinação aos túmulos dos Santos Apóstolos. Depois construiu e fundou muitas igrejas novas, sendo as mais famosas aquelas dedicadas a São Estevão Rotondo e a Santa Bibiana. Trabalhou para a expansão das dioceses e reafirmou o respeito à genuína fé em Cristo e à Igreja de Roma.

Os escritos antigos registram suas várias cartas à bispos, orientando sobre a forma de enfrentar o nestorianismo e o monofisitismo, duas heresias orientais que na época ameaçavam a integridade da doutrina católica e vinham se espalhando por todo o mundo cristão. Mas o Papa Simplício se manteve ativo ao lado do povo, ensinando, pregando, dando exemplo de evangelizador, apesar dessas e outras dificuldades. Além disso mostrou respeito a todo tipo de expressão da arte; foi ele que ordenou para serem colocados à salvo da destruição dos bárbaros os mosaicos considerados pagãos, da igreja de Santo André. Morreu, amado pelo povo e respeitado até pelos reis hereges, no dia 10 de março de 483. Suas relíquias são veneradas na sua cidade natal, Tivoli, Itália.

Foi assim que Roma, graças à atuação do Papa Simplício, apesar de assolada por hereges de todas as crenças e origens, deixou de ser a Roma dos Césares passando a ser a Roma dos Papas e da Santa Sé. A sua comemoração litúrgica ocorre no dia 02 de março.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Dinis, Crescêncio e Simplício.
Fonte:Franciscanos.org.com