6ª-feira da 18ª Semana do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 11/08/2017

6ª-feira da 18ª Semana do Tempo Comum

 

avida11 de Agosto de 2017

Sta. Clara Vg, memória

Cor: Branco

1ª Leitura (Dt 4,32-40)

Amou teus pais e, depois deles,
escolheu seus descendentes.

Leitura do Livro do Deuteronômio
Moisés falou ao povo dizendo:
Interroga os tempos antigos que te precederam,
desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra,
e investiga de um extremo ao outro dos céus,
se houve jamais um acontecimento tão grande,
ou se ouviu algo semelhante.
Existe, porventura, algum povo
que tenha ouvido a voz de Deus
falando-lhe do meio do fogo,
como tu ouviste,
e tenha permanecido vivo?
Ou terá vindo algum Deus escolher para si
um povo entre as nações,
por meio de provações, de sinais e prodígios,
por meio de combates, com mão forte e braço estendido,
e por meio de grandes terrores,
como tudo o que por ti o Senhor vosso Deus fez no Egito,
diante de teus próprios olhos?
A ti foi dado ver tudo isso,
para que reconheças que o Senhor é na verdade Deus,
e que não há outro Deus fora ele.
Do céu ele te fez ouvir sua voz para te instruir,
e sobre a terra te fez ver o seu grande fogo;
e do meio do fogo ouviste suas palavras,
porque amou teus pais
e, depois deles, escolheu seus descendentes.
Ele te fez sair do Egito por seu grande poder,
porque amou teus pais
e, depois deles, escolheu seus descendentes.
Ele te fez sair do Egito por seu grande poder,
para expulsar, diante de ti,
nações maiores e mais fortes do que tu,
e para te introduzir na terra deles
e dá-la a ti como herança, como tu estás vendo hoje.
Reconhece, pois, hoje, e grava-o em teu coração,
que o Senhor é o Deus lá em cima do céu
e cá embaixo na terra,
e que não há outro além dele.
Guarda suas leis e seus mandamentos
que hoje te prescrevo, para que sejas feliz,
tu e teus filhos depois de ti,
e vivas longos dias sobre a terra
que o Senhor teu Deus te vai dar para sempre.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 76,12-13. 14-15. 16.21 (R.12a)
 

R. Penso em vossas maravilhas, ó Senhor!

 
Mas, recordando os grandes feitos do passado, *
vossos prodígios eu relembro, ó Senhor;
eu medito sobre as vossas maravilhas *
e sobre as obras grandiosas que fizestes.R.

São santos, ó Senhor, vossos caminhos! *
Haverá deus que se compare ao nosso Deus?
Sois o Deus que operastes maravilhas, *
vosso poder manifestastes entre os povos.R.

Com vosso braço redimistes vosso povo, *
os filhos de Jacó e de José.
Como um rebanho conduzistes vosso povo *
e o guiastes por Moisés e Aarão.R.

 


 

Evangelho (Mt 16,24-28)

O que poderá alguém dar em troca de sua vida?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
Jesus disse aos discípulos:
‘Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo,
tome a sua cruz e me siga.
Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la;
e quem perder a sua vida por causa de mim,
vai encontrá-la.
De fato, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro
mas perder a sua vida?
O que poderá alguém dar em troca de sua vida?
Porque o Filho do Homem
virá na glória do seu Pai, com os seus anjos,
e então retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta.
Em verdade vos digo:
Alguns daqueles que estão aqui não morrerão
antes de verem o Filho do Homem vindo com o seu Reino.’
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


AclaraSanto Do Dia

Santa Joana Francisca de Chantal

Santa Joana Francisca de Chantal Filha de um político bem posicionado na França, Joana recusou matrimônio com um fidalgo milionário, por ser ele protestante calvinista. Casou-se, então, com o barão de Chantal, católico fervoroso, com quem levou uma vida profundamente religiosa e feliz.

Joana nasceu em Dijon, França, em 28 de janeiro de 1572, filha de Benigno Frèmiot, presidente do parlamento de Borgonha. Após seu casamento, foi morar no castelo de Bourbillye, e sua primeira ordem na nova casa sinalizou qual seria o estilo de vida que se viveria ali. Mandou que, diariamente, fosse rezada uma missa e que todos os servidores domésticos participassem. Ocupou-se, pessoalmente, da educação religiosa dos serviçais, ajudando-os em todas as suas necessidades materiais.

Quando o barão feriu-se gravemente durante uma caçada, no castelo só se rezava por sua saúde. Mas logo veio a falecer. Joana ficou viúva aos vinte e oito anos de idade, com os filhos para criar. Dedicou-se, inteiramente, à educação das suas crianças, abrindo espaço em seus horários apenas para a oração e o trabalho. Nessa época, conheceu o futuro são Francisco de Sales, então bispo de Genebra. Escolheu-o para ser seu diretor espiritual e fez-se preparar para a vida de religiosa.

Passados nove anos de viuvez e depois de ter muito bem casado as filhas, deixou o futuro barão de Chantal, então um adolescente de quinze anos, com o avô Benigno no castelo de Dijon e retirou-se em um convento. No ano seguinte, em 1610, junto com Francisco de Sales, fundou a Congregação da Visitação de Santa Maria, destinada à assistência aos doentes. Nessa empreitada juntaram-se, à baronesa de Chantal, a senhora Jacqueline Fabre e a senhorita Brechard.

Joana, então, professou os votos e foi a primeira a vestir o hábito da nova Ordem. Eleita a madre superiora, acrescentou Francisca ao nome de batismo e dedicou-se, exclusivamente, à Obra, vivendo na sua primeira sede, em Anecy. Fundou mais setenta e cinco Casas para suas religiosas com toda a sua fortuna. Mas não sem dificuldades e sofrimentos, e sofrendo muitas perseguições em Paris, sem nunca esmorecer.

Depois de uma dura agonia motivada por uma febre que pôs fim à sua existência, morreu em Moulins no dia 13 de dezembro de 1641. Atualmente, as Irmãs da Visitação estão espalhadas em todos os continentes e celebram, no dia 12 de agosto, santa Joana Francisca de Chantal, que foi canonizada em 1767 para ser venerada como modelo de perfeição evangélica em todos os estados de vida.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Graciliano, Felicíssima e Hilária.

Fonte:Franciscanos.org.com