(49) 3442.0358

Liturgia diária › 29/06/2017

5ª-feira da 12ª Semana do Tempo Comum

roc29 de Junho de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Gn 16,1-12.15-16)

Agar deu à luz o filho de Abrão,
a quem ele pôs o nome de Ismael.

Leitura do Livro do Gênesis
Sarai, a mulher de Abrão, não lhe dera filhos.
Mas, tendo uma escrava egípcia, chamada Agar,
Sarai disse a Abrão:
‘Eis que o Senhor me fez estéril.
Une-te, pois, à minha escrava,
para ver se, por ela, posso ter filhos’.
Abrão atendeu ao pedido de Sarai.
Depois de Abrão ter morado dez anos em Canaã,
Sarai, sua esposa, tomou sua escrava egípcia, Agar,
e deu-a como mulher ao seu marido Abrão.
Abrão uniu-se a Agar e ela concebeu.
Percebendo-se grávida,
começou a olhar com desprezo a sua senhora.
Sarai disse a Abrão:
‘Tu és responsável pela injúria que estou sofrendo.
Fui eu mesma que coloquei minha escrava em teus braços:
e ela, apenas ficou grávida, pôs-se a desprezar-me.
O Senhor será juiz entre mim e ti’.
Abrão respondeu a Sarai:
‘Olha, a escrava é tua;
faze dela o que bem estenderes’.
E Sarai maltratou-a tanto que ela fugiu.
Um anjo do Senhor, encontrando-a junto à fonte do deserto,
no caminho de Sur, disse-lhe:
‘Agar, escrava de Sarai,
de onde vens e para onde vais?’
Ela respondeu: ‘Estou fugindo de Sarai, minha senhora’.
E o anjo do Senhor lhe disse: ‘Volta para a tua
senhora e sê submissa a ela’.
E acrescentou: ‘Multiplicarei a tua descendência de tal forma,
que não se poderá contar’.
Disse, ainda, o anjo do Senhor:
‘Olha, estás grávida e darás à luz um filho e o chamarás Ismael,
porque o Senhor te ouviu na tua aflição.
Ele será indomável como um jumento selvagem,
sua mão se levantará contra todos,
e a mão de todos contra ele.
E ele viverá separado de todos os seus irmãos’.
Agar deu à luz o filho de Abrão;
e ele pôs o nome de Ismael ao filho que Agar lhe deu.
Abrão tinha oitenta e seis anos,
quando Agar deu à luz Ismael.
Palavra do Senhor.
Graças a Deus.


Salmo (Sl 105, 1-2. 3-4a. 4b-5 (R. 1a)

R. Dai graças ao Senhor, porque ele é bom.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

 
Dai graças ao Senhor, porque ele é bom, *
porque eterna é a sua misericórdia!
Quem contará os grandes feitos do Senhor? *
Quem cantará todo o louvor que ele merece?R.

Felizes os que guardam seus preceitos *
e praticam a justiça em todo o tempo!
aLembrai-vos, ó Senhor, de mim, lembrai-vos, *
pelo amor que demonstrais ao vosso povo!R.

bVisitai-me com a vossa salvação, *
para que eu veja o bem-estar do vosso povo,
e exulte na alegria dos eleitos, *
e me glorie com os que são vossa herança.R.


Evangelho ( Mt 7,21-29)

A casa construída sobre a rocha e
a casa construída sobre a areia.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’,
entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática
a vontade de meu Pai que está nos céus.
Naquele dia, muitos vão me dizer:
‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos?
Não foi em teu nome que expulsamos demônios?
E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres?’
Então eu lhes direi publicamente:
‘Jamais vos conheci.
Afastai-vos de mim, vós que praticais o mal.
Portanto, quem ouve estas minhas palavras
e as põe em prática,
é como um homem prudente,
que construiu sua casa sobre a rocha.
Caiu a chuva, vieram as enchentes,
os ventos deram contra a casa,
mas a casa não caiu,
porque estava construída sobre a rocha.
Por outro lado,
quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática,
é como um homem sem juízo,
que construiu sua casa sobre a areia.
Caiu a chuva, vieram as enchentes,
os ventos sopraram e deram contra a casa,
e a casa caiu, e sua ruína foi completa!’
Quando Jesus acabou de dizer estas palavras,
as multidões ficaram admiradas com seu ensinamento.
De fato, ele as ensinava como quem tem autoridade
e não como os mestres da lei.
Palavra da Salvação.
Gloria a vós Senhor.


pedroSanto do Dia.

São Pedro e São Paulo

São Pedro e São PauloA liturgia comemora São Pedro e São Paulo, os dois grandes Apóstolos da primeira comunidade cristã, como mestres e confessores da fé. Esta solenidade é uma das mais antigas da Igreja, sendo anterior até mesmo à comemoração do Natal. Já no século IV havia a tradição de, neste dia, celebrar três missas: a primeira na basílica de São Pedro, no Vaticano; a segunda na basílica de São Paulo Fora dos Muros e a terceira nas catacumbas de São Sebastião, onde as relíquias dos apóstolos ficaram escondidas para fugir da profanação nos tempos difíceis.

E mais: depois da Virgem Santíssima e de são João Batista, Pedro e Paulo são os santos que têm mais datas comemorativas no ano litúrgico. Além do tradicional 29 de junho, há: 25 de janeiro, quando celebramos a conversão de São Paulo; 22 de fevereiro, quando temos a festa da cátedra de São Pedro; e 18 de novembro, reservado à dedicação das basílicas de São Pedro e São Paulo.

O Papa Bento XVI apresenta Pedro e Paulo como “fundamentos da Igreja”: “Os dois Santos padroeiros de Roma, mesmo tendo recebido de Deus carismas e missões diferentes, são ambos fundamentos da Igreja una, santa, católica e apostólica, permanentemente aperta à dinâmica missionária e ecuménica”.

Antigamente, julgava-se que o martírio dos dois apóstolos tinha ocorrido no mesmo dia e ano e que seria a data que hoje comemoramos. Porém o martírio de ambos deve ter ocorrido em ocasiões diferentes, com são Pedro, crucificado de cabeça para baixo, na colina Vaticana e são Paulo, decapitado, nas chamadas Três Fontes. Mas não há certeza quanto ao dia, nem quanto ao ano desses martírios.

A morte de Pedro poderia ter ocorrido em 64, ano em que milhares de cristãos foram sacrificados após o incêndio de Roma, enquanto a de Paulo, no ano 67. Mas com certeza o martírio deles aconteceu em Roma, durante a perseguição de Nero.

Há outras raízes ainda envolvendo a data. A festa seria a cristianização de um culto pagão a Remo e Rômulo, os mitológicos fundadores pagãos de Roma. São Pedro e são Paulo não fundaram a cidade, mas são considerados os “Pais de Roma”. Embora não tenham sido os primeiros a pregar na capital do império, com seu sangue “fundaram” a Roma cristã. Os dois são considerados os pilares que sustentam a Igreja tanto por sua fé e pregação como pelo ardor e zelo missionários, sendo glorificados com a coroa do martírio, no final, como testemunhas do Mestre.

São Pedro é o apóstolo que Jesus Cristo escolheu e investiu da dignidade de ser o primeiro papa da Igreja. A ele Jesus disse: “Tu és Pedro e sobre esta pedra fundarei a minha Igreja”. São Pedro é o pastor do rebanho santo, é na sua pessoa e nos seus sucessores que temos o sinal visível da unidade e da comunhão na fé e na caridade.

São Paulo, que foi arrebatado para o colégio apostólico de Jesus Cristo na estrada de Damasco, como o instrumento eleito para levar o seu nome diante dos povos, é o maior missionário de todos os tempos, o advogado dos pagãos, o “Apóstolo dos Gentios”.

São Pedro e são Paulo, juntos, fizeram ressoar a mensagem do Evangelho no mundo inteiro e o farão para todo o sempre, porque assim quer o Mestre.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Judite, Ema e Anastácio.

Fonte:Franciscanos.org.com