(49) 3442.0358

Liturgia diária › 07/02/2017

3ª-feira da 5ª Semana do Tempo Comum

dicipulos 527 de Fevereiro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Gn 1,20 – 2,4a )

Façamos o homem à nossa imagem
e segundo a nossa semelhança.

Leitura do Livro do Gênesis
Deus disse:
‘Fervilhem as águas de seres animados de vida
e voem pássaros sobre a terra,
debaixo do firmamento do céu’.
Deus criou os grandes monstros marinhos
e todos os seres vivos que nadam, em multidão, nas águas,
segundo as suas espécies,
e todas as aves, segundo as suas espécies.
E Deus viu que era bom.
E Deus os abençoou, dizendo:
‘Sede fecundos e multiplicai-vos
e enchei as águas do mar,
e que as aves se multipliquem sobre a terra’.
Houve uma tarde e uma manhã: quinto dia.
Deus disse:
‘Produza a terra seres vivos
segundo as suas espécies,
animais domésticos, répteis e animais selvagens,
segundo as suas espécies’.
E assim se fez.
Deus fez os animais selvagens,
segundo as suas espécies,
os animais domésticos
segundo as suas espécies
e todos os répteis do solo
segundo as suas espécies.
E Deus viu que era bom.
Deus disse:
‘Façamos o homem à nossa imagem
e segundo a nossa semelhança,
para que domine sobre os peixes do mar,
sobre as aves do céu,
e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra’.
E Deus criou o homem à sua imagem,
à imagem de Deus ele o criou:
homem e mulher os criou.
E Deus os abençoou e lhes disse:
‘Sede fecundos e multiplicai-vos,
enchei a terra e submetei-a!
Dominai sobre os peixes do mar,
sobre os pássaros do céu
e sobre todos os animais
que se movem sobre a terra’.
E Deus disse:
‘Eis que vos entrego todas as plantas
que dão semente sobre a terra,
e todas as árvores que produzem fruto com sua semente,
para vos servirem de alimento.
E a todos os animais da terra,
e a todas as aves do céu,
e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida,
eu dou todos os vegetais para alimento’.
E assim se fez.
E Deus viu tudo quanto havia feito,
e eis que tudo era muito bom.
Houve uma tarde e uma manhó:
sexto dia.
E assim foram concluídos o céu e a terra
com todo o seu exército.
No sétimo dia, Deus considerou acabada
toda a obra que tinha feito;
e no sétimo dia descansou
de toda a obra que fizera.
Deus abençoou o sétimo dia e o santificou,
porque nesse dia descansou de toda a obra da criação.
Esta é a história do céu e da terra,
quando foram criados.
 – Palavra do Senhor.
 – Graças a Deus.


Salmo (Sl 8,4-5. 6-7. 8-9 (R. 2a)

R. Ó Senhor nosso Deus, como é grande
 vosso nome por todo o universo!

 

Contemplando estes céus que plasmastes*
e formastes com dedos de artista;
vendo a lua e estrelas brilhantes,*
perguntamos: ‘Senhor, que é o homem,
para dele assim vos lembrardes*
e o tratardes com tanto carinho?’R.

Pouco abaixo de Deus o fizestes,*
coroando-o de glória e esplendor;
vós lhe destes poder sobre tudo,*
vossas obras aos pés lhe pusestes.R.

as ovelhas, os bois, os rebanhos,*
todo o gado e as feras da mata;
passarinhos e peixes dos mares,*
todo ser que se move nas águas.R.


Evangelho (Mc 7,1-13)

Vós abandonais o mandamento de Deus
para seguir a tradição dos homens.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo:
Os fariseus e alguns mestres da Lei
vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus.
Eles viam que alguns dos seus discípulos
comiam o pão com as mãos impuras,
isto é, sem as terem lavado.
Com efeito, os fariseus e todos os judeus
só comem depois de lavar bem as mãos,
seguindo a tradição recebida dos antigos.
Ao voltar da praça,
eles não comem sem tomar banho.
E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição:
a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.
Os fariseus e os mestres da Lei
perguntaram então a Jesus:
‘Por que os teus discípulos
não seguem a tradição dos antigos,
mas comem o pão sem lavar as mãos?’
Jesus respondeu:
‘Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas,
como está escrito:
‘Este povo me honra com os lábios,
mas seu coração está longe de mim.
De nada adianta o culto que me prestam,
pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos’.
Vós abandonais o mandamento de Deus
para seguir a tradição dos homens.’
E dizia-lhes:
‘Vós sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus,
a fim de guardar as vossas tradições.
Com efeito, Moisés ordenou:
‘Honra teu pai e tua mãe’.
E ainda: ‘Quem amaldiçoa o pai ou a mãe, deve morrer’.
Mas vós ensinais que é lícito
alguém dizer a seu pai e à sua mãe:
‘O sustento que vós poderíeis receber de mim
é Corban, isto é, Consagrado a Deus’.
E essa pessoa fica dispensada
de ajudar seu pai ou sua mãe.
Assim vós esvaziais a Palavra de Deus
com a tradição que vós transmitis.
E vós fazeis muitas outras coisas como estas.’
 – Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós senhor.


Reflexão (Mc 7, 1-13)
 

Jesus, citando o profeta Isaías, diz: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim’. Precisamos saber se somos cristãos de palavras ou de coração. O cristão de palavras é aquele que vive uma religiosidade de cumprimento de preceitos, normas e rituais, que em nada difere dos rituais de alquimia e bruxaria que existem por aí; o que muda é que no lugar de abracadabra, fala frases bonitas com efeitos especiais. O cristão de coração é aquele que ama a Deus, ama os seus irmãos que são templos dele e procura servir a Deus no serviço aos irmãos e irmãs, na valorização da pessoa humana e promoção da sua dignidade. O cristão de coração fala pouco e nem sempre sabe falar bonito, mas ama muito, é solidário, generoso e fraterno.

 


Santo Do Dia

ricardo 20São Ricardo

Lucca é a cidade principal da província ao norte de Florença. De origens antiquíssimas, talvez etruscas, está situada às margens do Sérquio. No ano de 56 a.C. teve um dos momentos históricos mais importantes, a reunião de César, Pompeu e Crasso para renovação do triunvirato.

No século V, a rainha da Inglaterra meridional era Sexburga, que mais tarde se tornou abadessa e uma santa da Igreja Católica. Ela teve três filhos e duas filhas, estas, a seu exemplo, fundaram mosteiros dedicando-se aos pobres e a Cristo. Também o caçula Winfrido, ou Bonifácio, deixou a vida da corte para ser monge beneditino, hoje venerado como o grande “Apóstolo da Alemanha”.

O primogênito Egberto I assumiu o trono em 664, mas onze anos depois morreu, deixando o sucessor ainda muito pequeno. Foi assim que, o filho do meio, Hlother ou Ricardo I, se tornou rei da Inglaterra e guardião da coroa do sobrinho. Em 685, empossou o jovem rei Eadric I, que era o legítimo herdeiro da casa real dos Kents.

Ricardo deixou o palácio com os filhos Vilibaldo, Vunibaldo e Valburga, indo morar no mosteiro de Waltham, onde viveram sob as regras dos beneditinos. A partir daí os dados de suas vidas são descritos pelos registros da Santa Sé.

No ano de 720, conforme uma narração de um monge alemão, Ricardo e os dois filhos, então já monges, saíram da Inglaterra meridional, para empreenderem uma peregrinação de penitencia e devoção. A filha Valburga ficou no mosteiro, onde seguia a vida de religiosa. A meta, como sempre, era Roma, onde pretendiam venerar as relíquias dos apóstolos Pedro e Paulo. De lá queriam ir até a Terra Santa.

Atravessaram toda a França, mas quando chegaram na cidade de Luca, a viagem teve de ser interrompida porque Ricardo ficou doente e acabou falecendo. Foi sepultado na igreja de são Frediano em 722. Os milagres foram acontecendo em seu túmulo e o local se tornou uma rota de devoção para os cristãos, que o chamavam de “rei, santo”. Só Vilibaldo pôde completar o programa, porque Vunibaldo ficou estudando em Roma até 739. Depois os dois foram recrutados pelo tio Bonifácio, que acabara de ser elevado à condição de bispo, para a missão evangelizadora dos povos germânicos. Por fim, à eles se juntou a irmã Valburga, também a pedido do tio.

Sobre Ricardo, lemos no Martirológio Romano: “Em Luca, na Toscana, a deposição de são Ricardo, rei da Inglaterra e pai de são Vilibaldo, bispo de Eichstat , de são Vunibaldo abade de Heidenheim e da santa Valburga, abadessa virgem.” Seu culto se propagou graças as colaborações eficazes na obra de evangelização dos seus filhos e do irmão.

Em Luca, uma das mais belas cidades medievais de Florença, ele costuma ser festejado com grande veneração pela legião de devotos que procuraram por sua intercessão e foram atendidos por este “santo, rei dos ingleses”.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Coleta e Eugênia Smet.

Fonte:Franciscanos.org.com