(49) 3442.0358

Liturgia diária › 10/01/2017

3ª-feira da 1ª Semana do Tempo Comum

sinagoga10 de Janeiro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Hb 2,5-12)

Convinha que por meio dos sofrimentos
levasse o iniciador da salvação deles à consumação.

Leitura da Carta aos Hebreus
Não foi aos anjos que Deus submeteu o mundo futuro,
do qual estamos falando.
A este respeito, porém, houve quem afirmasse:
‘O que é o homem, para dele te lembrares,
ou o filho do homem, para com ele te ocupares?
Tu o fizeste um pouco menor que os anjos,
de glória e honra o coroaste,
e todas as coisas puseste debaixo de seus pés.’
Se Deus lhe submeteu todas as coisas,
nada deixou que não lhe fosse submisso.
Atualmente, porém, ainda não vemos
que tudo lhe esteja submisso.
Jesus, a quem Deus fez pouco menor do que os anjos,
nós o vemos coroado de glória e honra,
por ter sofrido a morte.
Sim, pela graça de Deus em favor de todos,
ele provou a morte.
Convinha de fato que aquele,
por quem e para quem todas as coisas existem,
e que desejou conduzir muitos filhos à glória,
levasse o iniciador da salvação deles à consumação,
por meio de sofrimentos.
Pois tanto Jesus, o Santificador,
quanto os santificados,
são descendentes do mesmo ancestral;
por esta razão,
ele não se envergonha de os chamar irmãos,
dizendo:
‘Anunciarei o teu nome a meus irmãos;
e no meio da assembléia te louvarei.’
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 8, 2a.5. 6-7. 8-9 (R.Cf. 7)

R. Destes domínio ao vosso Filho
sobre tudo o que criastes.

Ó Senhor nosso Deus,*
que é o homem, para dele assim vos lembrardes *
e o tratardes com tanto carinho?’R.

Pouco abaixo de Deus o fizestes, *
coroando-o de glória e esplendor;
vós lhe destes poder sobre tudo, *
vossas obras aos pés lhe pusestes:R.

as ovelhas, os bois, os rebanhos, *
todo o gado e as feras da mata;
passarinhos e peixes dos mares, *
todo ser que se move nas águas.R.


Evangelho (Mc 1,21b-28)

Ensinava como quem tem autoridade.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos
Estando com seus discípulos em Cafarnaum,
Jesus, num dia de sábado,
entrou na sinagoga e começou a ensinar.
Todos ficavam admirados com o seu ensinamento,
pois ensinava como quem tem autoridade,
não como os mestres da Lei.
Estava então na sinagoga
um homem possuído por um espírito mau.
Ele gritou:
‘Que queres de nós, Jesus Nazareno?
Vieste para nos destruir?
Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus.’
Jesus o intimou: ‘Cala-te e sai dele!’
Então o espírito mau sacudiu o homem com violência,
deu um grande grito e saíu.
E todos ficaram muito espantados
e perguntavam uns aos outros: ‘O que é isto?
Um ensinamento novo dado com autoridade:
Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!’
E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte,
em toda a região da Galiléia.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Mc 1, 21b-28)

Jesus tem como costume ensinar nas sinagogas e o conhecimento da fé é a maior arma que o cristão tem para vencer o mal e o pecado, pois não só nos mostra o caminho para chegarmos até Deus e o valor da verdade para nós, além de nos revelar o amor que Deus tem por nós e a necessidade que temos de corresponder a esse amor por uma vida santa para que possamos vencer toda sorte de mal que venha a acontecer em nossas vidas e sentirmos o poder amoroso de Deus que se faz presente na vida de todas as pessoas que acolhem o que Jesus veio revelar a respeito de Deus e do seu Reino.


Santo Do dia

burguesSão Guilherme de Bourges

Guilherme era filho dos condes de Nervers e neto de Pedro, o eremita. Sua educação foi muito religiosa. Desde a infância mostrou o desejo de dedicar a sua vida à serviço de Cristo. Mais tarde, com a vocação definida se consagrou sacerdote e foi nomeado o vigário geral de Soissons e depois de Paris.

Entretanto, assim como seu avô, decidiu deixar a vida da sociedade para se retirar à solidão santa. A princípio foi para o mosteiro de Gradmont, mas depois ingressou para a Ordem de Cister e se tornou um monge. Muito preparado espiritualmente e com uma imensa bagagem cultural, foi sucessivamente abade de Pontigny, de Fontaine-Jean, na diocese de Soissons, e finalmente em Chaalis.

Entretanto a morte o arcebispo de Bourges em setembro de 1200 ocasionou uma grande contestação para se saber quem seria designado como sucessor. Para acabar com as divergências foi chamado o bispo de Paris, Otto, o qual, depois de haver rezado ao Senhor, resolveu sortear o cargo e o vencedor foi Guilherme.

Guilherme aceitou mesmo contra a vontade esta designação, se tornando assim o bispo de Bourges. Como novo pastor se ocupou ativamente da sua diocese dando prova de piedade, firmeza, de bondade e humanidade. Foi sob todos os pontos de vista um modelo para o seu rebanho. A sua fama era tal que a nação francesa, e a universidade de Paris, o escolheram como patrono.

Combateu a heresia dos albigenses, que pregavam uma doutrina contrária à do cristianismo, através das orações. Durante o pontificado de Inocêncio III, pediu para participar e seguir com a sua cruzada, sendo prontamente autorizado por ele. Quando se preparava para partir ficou muito doente, morrendo no dia 10 de janeiro de 1209.

Os milagres que se verificaram por sua intercessão logo após o seu falecimento o levaram à canonização, que foi concedida após oito anos de sua morte em 17 de maio de 1218, pelo papa Honório III.

O seu corpo foi colocado em uma urna de ouro e transferido para a sepultura em frente do altar maior da catedral de Bourges. Algumas relíquias foram doadas à abadia de Chaalis e à igreja de São Leodegário em Alvernia. Depois com a perseguição dos calvinistas elas foram jogadas e dispersadas, mas em seguida, recolhidas pela população alverniense, para em 1793, serem novamente dispersadas.

Os ugonotas, por sua vez, haviam queimado, aquelas remanescentes da catedral de Bourges e de Chaalis e jogado as cinzas ao vento. São Guilherme de Bourges, como ficou conhecido, é festejado no dia 10 de janeiro, o mesmo dia em que morreu.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Aldo, Nicanor e Gregório X
 

Fonte: Franciscanos.org.br