3ª-feira da 19ª Semana do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 15/08/2017

3ª-feira da 19ª Semana do Tempo Comum

pequenino15 de Agosto de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Dt 31,1-8)

Sê forte e corajoso,
pois és tu que introduzirás este povo na terra.

Leitura do Livro do Deuteronômio
Moisés dirigiu-se a todo Israel
com as seguintes palavras:
‘Tenho hoje cento e vinte anos
e já não posso deslocar-me.
Além do mais, o Senhor me disse:
‘Não atravessarás este rio Jordão’,
‘É o Senhor teu Deus que irá à tua frente;
ele mesmo, à tua vista, destruirá todas essas nações,
para que ocupes suas terras.
Josué passará adiante de ti, como disse o Senhor.
E o Senhor fará com esses povos
o que fez com Seon e Og, reis dos amorreus,
e com suas terras, que ele destruiu.
Quando, pois, o Senhor os entregar a vós,
fareis com eles exatamente o que vos ordenei.
Sede fortes e valentes;
não vos intimideis nem tenhais medo deles,
pois o Senhor teu Deus é ele mesmo o teu guia,
e não te deixará nem te abandonará’.
Depois Moisés chamou Josué
e, diante de todo Israel, lhe disse:
‘Sê forte e corajoso,
pois és tu que introduzirás este povo na terra
que o Senhor sob juramento prometeu dar a seus pais,
e és tu que lhe darás a posse dela.
O Senhor, que é o teu guia, marchará à tua frente,
estará contigo e não te deixará nem te abandonará.
Por isso, não temas nem te acovardes’.
Palavra do Senhor.
Graças a Deus.


Salmo (Dt 32,3-4a. 7. 8. 9.12 (R.9a)

R. A porção do Senhor é o seu povo.

 

 

O nome do Senhor vou invocar; *
vinde todos e dai glória ao nosso Deus!
Ele é a Rocha: suas obras são perfeitas.R.

 
Recorda-te dos dias do passado *
e relembra as antigas gerações;
pergunta, e teu pai te contará, *
interroga, e teus avós te ensinarão.R.

 
Quando o Altíssimo os povos dividiu *
e pela terra espalhou os filhos de Adão,
as fronteiras das nações ele marcou *
de acordo com o número de seus filhos;R.

 
Mas a parte do Senhor foi o seu povo, *
e Jacó foi a porção de sua herança.
O Senhor, somente ele, foi seu guia, *
e jamais um outro deus com ele estava.R.


Evangelho (Mt 18,1-5.10.12-14)

Não desprezeis nenhum desses pequeninos.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo:
Os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram:
‘Quem é o maior no Reino dos Céus?’
Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles
e disse: ‘Em verdade vos digo,
se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças,
não entrareis no Reino dos Céus.
Quem se faz pequeno como esta criança,
esse é o maior no Reino dos Céus.
E quem recebe em meu nome uma criança como esta,
é a mim que recebe.
Não desprezeis nenhum desses pequeninos,
pois eu vos digo que os seus anjos nos céus
vêem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus.
Que vos parece?
Se um homem tem cem ovelhas, e uma delas se perde,
não deixa ele as noventa e nove nas montanhas,
para procurar aquela que se perdeu?
Em verdade vos digo, se ele a encontrar,
ficará mais feliz com ela,
do que com as noventa e nove que não se perderam.
Do mesmo modo, o Pai que está nos céus
não deseja que se perca nenhum desses pequeninos.
Palavra da Salvação.
Gloria a Vós Senhor.


AtilioSanto Do Dia

São Tarcísio

São Tarcísio “Em Roma, na Via Ápia, a passio de São Tarcísio acólito, a quem os pagãos encontraram levando o sacramento do Corpo de Cristo e lhe perguntaram o que era aquilo que estava levando. Ele julgou ser uma coisa vergonhosa atirar pérolas aos porcos, e por isso foi atacado por eles durante longo espaço de tempo com paus e pedras até entregar o seu espírito a Deus. Quando lhe reviraram o corpo, os assaltantes sacrílegos não puderam encontrar nem sinal do sacramento de Cristo, nem em suas mãos e nem por entre as vestes. Os cristãos recolheram o corpo do mártir e o enterraram com honras no cemitério de Calisto”. Assim é que o Martirológio Romano resume a forma posterior da história de São Tarcísio.

Tarcísio foi um mártir da Igreja dos primeiros séculos, vítima da perseguição do imperador Valeriano, em Roma, Itália. A Igreja de Roma contava, então, com cinquenta sacerdotes, sete diáconos e mais ou menos cinquenta mil fiéis no centro da cidade imperial. Ele era um dos integrantes dessa comunidade cristã romana, quase toda dizimada pela fúria sangrenta daquele imperador.

Tarcísio era acólito do papa Xisto II, ou seja, era coroinha na igreja, servindo ao altar nos serviços secundários, acompanhando o santo papa na celebração eucarística.

Durante o período das perseguições, os cristãos eram presos, processados e condenados a morrer pelo martírio. Nas prisões, eles desejavam receber o conforto final da eucaristia. Mas era impossível entrar. Numa das tentativas, dois diáconos, Felicíssimo e Agapito, foram identificados como cristãos e brutalmente sacrificados. O papa Xisto II queria levar o Pão sagrado a mais um grupo de mártires que esperavam a execução, mas não sabia como.

Foi quando Tarcísio pediu ao santo papa que o deixasse tentar, pois não entregaria as hóstias a nenhum pagão. Ele tinha doze anos de idade. Comovido, o papa Xisto II abençoou-o e deu-lhe uma caixinha de prata com as hóstias. Mas Tarcísio não conseguiu chegar à cadeia. No caminho, foi identificado e, como se recusou a dizer e entregar o que portava, foi abatido e apedrejado até morrer. Depois de morto, foi revistado e nada acharam do sacramento de Cristo. Seu corpo foi recolhido por um soldado, simpatizante dos cristãos, que o levou às catacumbas, onde foi sepultado.

Essas informações são as únicas existentes sobre o pequeno acólito Tarcísio. Foi o papa Dâmaso quem mandou colocar na sua sepultura uma inscrição com a data de sua morte: 15 de agosto de 257.

Tarcísio foi, primeiramente, sepultado junto com o papa Stefano nas catacumbas de Calisto, em Roma. No ano 767, o papa Paulo I determinou que seu corpo fosse transferido para o Vaticano, para a basílica de São Silvestre, e colocado ao lado dos outros mártires. Mas em 1596 seu corpo foi transferido e colocado definitivamente embaixo do altar principal daquela mesma basílica.

A basílica de São Silvestre é a mais solene do Vaticano. Nela, todos os papas iniciam e terminam seus pontificados. Sem dúvida, o lugar mais apropriado para o comovente protetor da eucaristia: o mártir e acólito Tarcísio. Ele foi declarado Padroeiro dos Coroinhas ou Acólitos, que servem ao altar e ajudam na celebração eucarística.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Alípio e Arnulfo.
Fonte:Franciscanos.org.com