32º Domingo do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 11/11/2017

32º Domingo do Tempo Comum

a712 de Novembro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Sb 6,12-16)

A sabedoria é encontrada por aqueles que a procuram.

Leitura do Livro da Sabedoria
A Sabedoria é resplandecente e sempre viçosa.
Ela é facilmente contemplada por aqueles que a amam,
e é encontrada por aqueles que a procuram.
Ela até se antecipa,
dando-se a conhecer aos que a desejam.
Quem por ela madruga não se cansará,
pois a encontrará sentada à sua porta.
Meditar sobre ela é a perfeição da prudência;
e quem ficar acordado por causa dela
em breve há de viver despreocupado.
Pois ela mesma sai à procura dos que a merecem,
cheia de bondade, aparece-lhes nas estradas
e vai ao seu encontro em todos os seus projetos.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 62,2.3-4.5-6.7-8 (R. 2b)

R. A minh’alma tem sede de vós, e vos deseja, ó Senhor.
Sois vós, ó Senhor, o meu Deus!*
Desde a aurora ansioso vos busco!
A minh’alma tem sede de vós,
minha carne também vos deseja,*
como terra sedenta e sem água!R.

Venho, assim, contemplar-vos no templo,*
para ver vossa glória e poder.
Vosso amor vale mais do que a vida:*
e por isso meus lábios vos louvam.R.

Quero, pois vos louvar pela vida,*
e elevar para vós minhas mãos!
A minh’alma será saciada,
como em grande banquete de festa;*
cantará a alegria em meus lábios.R.

Penso em vós no meu leito, de noite,*
nas vigílias suspiro por vós!
Para mim fostes sempre um socorro;*
de vossas asas à sombra eu exulto!R.


2ª Leitura (1Ts 4,13-18)

Deus trará de volta, com Cristo, os que
através dele entraram no sono da morte.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses
Irmãos, não queremos deixar-vos na incerteza
a respeito dos mortos,
para que não fiqueis tristes
como os outros, que não têm esperança.
Se Jesus morreu e ressuscitou – e esta é nossa fé –
de modo semelhante Deus trará de volta, com Cristo,
os que através dele entraram no sono da morte.
Isto vos declaramos, segundo a palavra do Senhor:
nós que formos deixados com vida para a vinda do Senhor
não levaremos vantagem em relação aos que morreram.
Pois o Senhor mesmo, quando for dada a ordem,
à voz do arcanjo e ao som da trombeta,
descerá do céu
e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Em seguida, nós que formos deixados com vida
seremos arrebatados com eles nas nuvens,
para o encontro com o Senhor, nos ares.
E assim estaremos sempre com o Senhor.
Exortai-vos, pois, uns aos outros,
com estas palavras.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Evangelho (Mt 25,1-13)

O noivo está chegando. Ide ao seu encontro.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus
Naquele tempo,
disse Jesus, a seus discípulos, esta parábola:
‘O Reino dos Céus é como a história das dez jovens
que pegaram suas lâmpadas de óleo
e saíram ao encontro do noivo.
Cinco delas eram imprevidentes,
e as outras cinco eram previdentes.
As imprevidentes pegaram as suas lâmpadas,
mas não levaram óleo consigo.
As previdentes, porém, levaram vasilhas com óleo
junto com as lâmpadas.
O noivo estava demorando
e todas elas acabaram cochilando e dormindo.
No meio da noite, ouviu-se um grito:
`O noivo está chegando. Ide ao seu encontro!’
Então as dez jovens se levantaram
e prepararam as lâmpadas.
As imprevidentes disseram às previdentes:
`Dai-nos um pouco de óleo,
porque nossas lâmpadas estão se apagando.’
As previdentes responderam:
`De modo nenhum,
porque o óleo pode ser insuficiente
para nós e para vós.
É melhor irdes comprar aos vendedores’.
Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou,
e as que estavam preparadas
entraram com ele para a festa de casamento.
E a porta se fechou.
Por fim, chegaram também as outras jovens e disseram:
`Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’
Ele, porém, respondeu:
`Em verdade eu vos digo: Não vos conheço!’
Portanto, ficai vigiando,
pois não sabeis qual será o dia, nem a hora.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


a6Santo Do Dia

São Josafa Kuncewicz

12Tudo na vida de João Kuncewics aconteceu cedo e rápido. Nascido de família cristã ortodoxa da Ucrânia, em 1580, estudou filosofia e teologia. Aos vinte anos, tornou-se monge na Ordem de São Basílio, recebendo o nome de Josafá. Em pouco tempo, era nomeado superior do convento e, logo depois, arquimandrita de Polotsk. Com apenas trinta e sete anos, assumiu, embora a contragosto, o arcebispado de Polotsk.

Dizem os escritos antigos que a brilhante carreira era plenamente justificada pelos seus dotes intelectuais e, principalmente, pelo exemplo de suas virtudes, obediência total à disciplina monástica e à prática da caridade.

Exemplo disso foi quando, certa vez, sem ter como ajudar uma viúva que passava necessidades, penhorou o pálio de bispo para conseguir dinheiro e socorrê-la.

Vivia-se a época do cisma, provocado pelas igrejas do Oriente, e Josafá foi um dos grandes batalhadores pela união delas com Roma, tendo obtido vitória em muitas das frentes de batalha.

Josafá defendia com coragem a autoridade do papa e o fim do cisma, com a consequente união das igrejas. Pregava e fazia questão de seguir os ensinamentos de Jesus numa só Igreja, sob a autoridade de um único pastor. Sua luta incansável reconquistou muitos hereges e ele é considerado o responsável pelo retorno dos rutenos ao seio da Igreja. Embora outras igrejas do Oriente não o tenham seguido, foi uma vitória histórica e muito importante.

Atuando dessa forma e tendo as origens que tinha, é evidente que sofreria represálias. Foi vítima de calúnias, difamação, acusações absurdas e uma oposição ameaçadora por parte dos que apoiavam o cisma. Em uma pregação, chegou a prever que seu fim estava próximo e seria na mão dos inimigos. Até mesmo avisou “as ovelhas do seu rebanho”, como dizia, de que isso aconteceria. Mas não temia por sua vida e jamais deixou de lutar.

Em uma das visitas às paróquias sob sua administração, sua moradia foi cercada e atacada. Muitas pessoas da comitiva foram massacradas. O arcebispo Josafá, então, apresentou-se aos inimigos perguntando porque matavam seus familiares se o alvo era ele próprio. Impiedosamente, a multidão maltratou-o, torturou-o, matou-o e jogou seu corpo em um rio.

Tudo ocorreu no dia 12 de novembro de 1623, na cidade de Vitebsk, na Bielorússia. Seu corpo, depois, foi recuperado e venerado pelos fiéis. Mais tarde, os próprios responsáveis pelo assassinato do arcebispo foram presos, julgados, condenados e acabaram convertendo-se, escapando da pena de morte.

O papa Pio IX canonizou-o em 1876. São Josafá Kuncewics, considerado pelos estudiosos atuais da Igreja o precursor do ecumenismo que vivemos em nossos dias.
Fonte: franciscanos.org.com