2º Domingo do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 14/01/2017

2º Domingo do Tempo Comum

pomba2015 de Janeiro de 2017

Cor: Verde 

1ª Leitura (Is 49,3.5-6)

Farei de ti a luz das nações
para que sejas minha salvação.

Leitura do Livro do Profeta Isaías

O Senhor me disse: ‘Tu és o meu Servo,
Israel, em quem serei glorificado’.
E agora diz-me o Senhor
-ele que me preparou desde o nascimento
para ser seu Servo – que eu recupere Jacó para ele
e faça Israel unir-se a ele;
aos olhos do Senhor esta é a minha glória.
Disse ele: ‘Não basta seres meu Servo
para restaurar as tribos de Jacó
e reconduzir os remanescentes de Israel:
eu te farei luz das nações, para que minha salvação
chegue até aos confins da terra’.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 


Salmo (Sl 39,2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R.8a.9a)

R. Eu disse: Eis que venho, Senhor,
 com prazer faço a vossa vontade.!
Esperando, esperei no Senhor,*
e inclinando-se, ouviu meu clamor.
Canto novo ele pôs em meus lábios,*
um poema em louvor ao Senhor.R.
Sacrifício e oblação não quisestes,*
mas abristes, Senhor, meus ouvidos;
não pedistes ofertas nem vítimas,*
holocaustos por nossos pecados. R.
E então eu vos disse: ‘Eis que venho!’*
Sobre mim está escrito no livro:
‘Com prazer faço a vossa vontade,*
guardo em meu coração vossa lei!’R.
Boas-novas de vossa justiça
anunciei numa grande assembléia;*
vós sabeis: não fechei os meus lábios!R.


2ª Leitura (1Cor 1,1-3)

A vós, graça e paz da parte de Deus,
nosso Pai, e do Senhor Jesus!

Início da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios
Paulo, chamado a ser apóstolo de Jesus Cristo,
por vontade de Deus, e o irmão Sóstenes,
à Igreja de Deus que está em Corinto:
aos que foram santificados em Cristo Jesus,
chamados a ser santos junto com todos que,
em qualquer lugar,
invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
Senhor deles e nosso.
Para vós, graça e paz,
da parte de Deus, nosso Pai,
e do Senhor Jesus Cristo.
– Palavra do Senhor.
 – Graças a Deus.


Evangelho (Jo 1,29-34)

Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João
Naquele tempo:
João viu Jesus aproximar-se dele e disse:
‘Eis o Cordeiro de Deus,
que tira o pecado do mundo.
Dele é que eu disse:
Depois de mim vem um homem que passou à minha frente,
porque existia antes de mim.
Também eu não o conhecia,
mas se eu vim batizar com água,
foi para que ele fosse manifestado a Israel’.
E João deu testemunho, dizendo:
‘Eu vi o Espírito descer,
como uma pomba do céu,
e permanecer sobre ele.
Também eu não o conhecia,
mas aquele que me enviou a batizar com água me disse:
`Aquele sobre quem vires o Espírito descer e
permanecer, este é quem batiza com o Espírito Santo’.
Eu vi e dou testemunho:
Este é o Filho de Deus!’
– Palavra da Salvação.
 – Gloria a Vós Senhor.


mauroSanto Do dia

Santo Mauro (Amaro)

São Mauro foi o primeiro discípulo de São Bento de Núrsia. Ele é mencionado na biografia de São Gregório, o Grande.

Amaro é o nome pelo qual santo Mauro também é conhecido e festejado. Ele nasceu na cidade de Roma, filho único do senador Eutíquio e de Júlia uma rica fidalga, no ano de 512. Aos doze anos, teve um sonho, onde uma voz lhe dizia para entregar sua vida a serviço de Cristo, e assim seria conduzido para o caminho da santidade. Interpretou como um chamado de Deus e comunicou aos pais seu desejo de ingressar num mosteiro.

Eutíquio era amigo do abade Bento de Núrsia, venerado pela Igreja como o “pai dos monges ocidentais”, e conhecia o seu trabalho com os jovens que desejavam estudar e se aprofundar na fé, por isto decidiu que o filho iria para lá. Amaro foi confiado a são Bento, juntamente com seu primo Plácido, de sete anos, que também foi canonizado. Os meninos ingressaram no mosteiro de Subiaco, onde estudaram e aprofundaram sua fé em Deus.

Certo dia, o santo abade estava rezando e Amaro executando suas tarefas diárias, quando São Bento teve uma visão do menino Plácido se afogando no riacho onde fôra buscar água. Imediatamente, São Bento chamou Amaro e o avisou que seu primo estava se afogando, mandou que ele corresse para lá e tentasse salvar Plácido, de qualquer forma. Amaro se concentrou de tal maneira agiu tão rapidamente, que nem percebeu que andava sobre as águas daquele riacho, depois puxou o primo pelos cabelos e o levou para a terra firme. Assim, foi que aconteceu o primeiro prodígio de Amaro, que salvou o primo, andando sobre as águas, como fez São Pedro para atender o chamado do Mestre Jesus, andando no mar da Galileia.

Amaro se tornou o discípulo predileto de São Bento e o acompanhou para o mosteiro de Montecassino, quando lá se fixaram, sendo nomeado o primeiro superior e administrador. Sobre Amaro, os registros mostram que era um homem virtuoso, modelo de obediência, humildade e caridade.

Em 535 quando São Bento recebeu o convite para abrir um mosteiro sob as suas Regras na Gália, atual França . O escolhido para a missão foi Amaro, que chefiou com outros quatro monges, inclusive Fausto, que escreveu a “Vida de Amaro, abade”. O trabalho frutificou tanto que o mosteiro francês deu origem a uma cidade com o seu nome. Muitos anos depois, ele também foi dado à Congregação Beneditina Francesa de Saint Maur, uma das mais importantes instituições católicas pela formação de seus monges, que se expandiu por toda a Europa.

O monge Fausto, no seu livro, narrou que Amaro, aos setenta e dois anos, contraiu a peste, epidemia que havia se instalado no mosteiro, levando à morte uma centena de religiosos. Ele agonizou durante cinco meses, morrendo santamente em 15 de janeiro de 584. Foi sepultado na igreja de São Martinho, a mesma em que costumava ir rezar. Atualmente suas relíquias estão na Cripta de a Capela do mosteiro de Montecassino, na Itália. A Igreja o canonizou e a festa de Santo Amaro acontece no dia de sua morte. A partir de 1962, o seu primo passou a ser celebrado junto com ele. O culto de Santo Amaro é muito vigoroso em todo o mundo, principalmente na Europa e na França.

A Igreja também celebra neste dia a memória dos santos: Isidoro de Alexandria, Miqueias e João Calibita.

 

 

Fonte: Franciscanos.org.br