(49) 3442.0358

Liturgia diária › 08/05/2017

2ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

porta8 de Maio de 2017

Cor: Branco

1ª Leitura (At 11,1-18)

Também aos pagãos Deus concedeu a conversão
que leva para a vida!

Leitura dos Atos dos Apóstolos
Naqueles dias:
Os apóstolos e os irmãos, que viviam na Judéia,
souberam que também os pagãos
haviam acolhido a Palavra de Deus.
Quando Pedro subiu a Jerusalém,
os fiéis de origem judaica
começaram a discutir com ele, dizendo:
‘Tu entraste na casa de pagãos e comeste com eles!’
Então, Pedro começou a contar-lhes,
ponto por ponto, o que havia acontecido:
‘Eu estava na cidade de Jope
e, ao fazer oração, entrei em êxtase
e tive a seguinte visão:
vi uma coisa parecida com uma grande toalha
que, sustentada pelas quatro pontas,
descia do céu e chegava até junto de mim.
Olhei atentamente e vi dentro dela
quadrúpedes da terra, animais selvagens,
répteis e aves do céu.
Depois ouvi uma voz que me dizia:
‘Levanta-te, Pedro, mata e come.’
Eu respondi: ‘De modo nenhum, Senhor!
Porque jamais entrou coisa profana e impura
na minha boca’.
A voz me disse pela segunda vez:
‘Não chames impuro o que Deus purificou’.
Isso repetiu-se por três vezes.
Depois a coisa foi novamente levantada para o céu.
Nesse momento, três homens se apresentaram
na casa em que nos encontrávamos.
Tinham sido enviados de Cesaréia, à minha procura.
O Espírito me disse que eu fosse com eles sem hesitar.
Os seis irmãos que estão aqui me acompanharam
e nós entramos na casa daquele homem.
Então ele nos contou que tinha visto um anjo
apresentar-se em sua casa e dizer:
‘Manda alguém a Jope para chamar Simão,
conhecido como Pedro.
Ele te falará de acontecimentos
que trazem a salvação
para ti e para toda a tua família’.
Logo que comecei a falar,
o Espírito Santo desceu sobre eles,
da mesma forma que desceu sobre nós no princípio.
Então eu me lembrei do que o Senhor havia dito:
‘João batizou com água,
mas vós sereis batizados no Espírito Santo’.
Deus concedeu a eles o mesmo dom que deu a nós
que acreditamos no Senhor Jesus Cristo.
Quem seria eu para me opor à ação de Deus?’
Ao ouvirem isso, os fiéis de origem judaica se acalmaram
e glorificavam a Deus, dizendo:
‘Também aos pagãos Deus concedeu a conversão
que leva para a vida!’
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo ( Sl 41, 2-3; 42, 3.4 (R. Cf. Sl 41, 3a)

R. A minh’alma tem sede de Deus e deseja o Deus vivo.

Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

 

 

Assim como a corça suspira*
pelas águas correntes,
suspira igualmente minh’alma
por vós, ó meu Deus!R.

A minh’ alma tem sede de Deus,*
e deseja o Deus vivo.
Quando terei a alegria de ver*
a face de Deus?R.

Enviai vossa luz, vossa verdade:*
elas serão o meu guia;
que me levem ao vosso Monte santo,*
até a vossa morada!R.

Então irei aos altares do Senhor,*
Deus da minha alegria.
Vosso louvor cantarei, ao som da harpa,*
meu Senhor e meu Deus!R.


Evangelho (Jo 10,1-10)

Eu sou a porta das ovelhas.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João
Naquele tempo, disse Jesus:
‘Em verdade, em verdade vos digo,
quem não entra no redil das ovelhas pela porta,
mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante.
Quem entra pela porta é o pastor das ovelhas.
A esse o porteiro abre,
e as ovelhas escutam a sua voz;
ele chama as ovelhas pelo nome
e as conduz para fora.
E, depois de fazer sair todas as que são suas,
caminha à sua frente, e as ovelhas o seguem,
porque conhecem a sua voz.
Mas não seguem um estranho,
antes fogem dele,
porque não conhecem a voz dos estranhos.’
Jesus contou-lhes esta parábola,
mas eles não entenderam o que ele queria dizer.
Então Jesus continuou:
‘Em verdade, em verdade vos digo,
eu sou a porta das ovelhas.
Todos aqueles que vieram antes de mim
são ladrões e assaltantes,
mas as ovelhas não os escutaram.
Eu sou a porta. Quem entrar por mim, será salvo;
entrará e sairá e encontrará pastagem.
O ladrão só vem para roubar, matar e destruir.
Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Jo 10, 11-18)

Deus afirmou, através do Profeta Jeremias, que ele daria ao seu povo pastores segundo o seu coração e, mais tarde, pela boca do Profeta Ezequiel, que ele mesmo seria o pastor do seu povo. O Evangelho de hoje nos mostra que Deus está cumprindo a sua promessa, pois o Filho, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é quem afirma: “Eu sou o bom pastor”. É o próprio Deus que se coloca a serviço das pessoas com a finalidade de reuni-las num único rebanho. E hoje a Igreja, o Corpo Místico de Cristo, é a continuadora da obra do Pastor, de modo que nela o ser humano é convidado a participar da divina missão do pastoreio.


sifi 23Santo Do Dia

São Vítor

Vítor, o Mouro, era africano natural da Mauritânia. Cristão desde criança, quando adulto ingressou no exército do imperador Maximiano. Quando este desejou sufocar uma rebelião na Gália, atual França, recrutou, então, um grande contingente de homens do Oriente e do norte da África.

O destacamento em que veio Vítor se estabeleceu em Milão, na Itália. Entretanto o imperador exigia que todos os soldados, antes de irem para a batalha, oferecessem sacrifícios aos deuses pagãos do Império. Os que se recusavam eram condenados à morte.

Pois Vítor se recusou, mantendo e reafirmando sua fé cristã a cada ordem recebida nesse sentido. Ele foi levado ao tribunal e interrogado. Confessou novamente sua doutrina, entretanto, renovando sua lealdade ao imperador, quanto às ordens militares. O soldado Vítor, mesmo assim, foi encarcerado, permanecendo por seis dias sem comida ou água.

Essa cadeia onde ficou, ao lado da Porta Romana, até hoje é tristemente conhecida como o cárcere de São Vítor. Findo esse prazo, Vítor foi arrastado pelas ruas da cidade até o hipódromo do Circo, situado junto à atual Porta Ticinense, onde, interrogado novamente pelo próprio imperador, se negou a abandonar sua religião. Foi severamente flagelado, mas manteve-se firme. Levado de volta ao cárcere teve as feridas cobertas por chumbo derretido, mas o soldado africano saiu ileso do pavoroso castigo.

Rapidamente Vítor se recuperou e, na primeira oportunidade, fugiu da cadeia, refugiando-se numa estrebaria junto a um teatro, onde hoje se encontra a Porta Vercelina. Acabou descoberto, levado a uma floresta próxima e decapitado. Era o dia 8 de maio de 303.

Conta a tradição milanesa que seu corpo permaneceu sem sepultura por uma semana, quando o bispo são Materno o encontrou intacto e vigiado por duas feras. Ali mesmo foi construída uma imensa igreja, a ele dedicada. Aliás, não é a única. Há, em Milão, várias outras igrejas e monumentos erguidos em sua homenagem, mas o mais significativo, sem dúvida, é o seu cárcere.

Vítor é um dos santos mais amados e venerados pelos habitantes de Milão. Tendo sido martirizado naquela cidade, sua prisão e seu martírio permanecem vivos na memória do povo, que sabe contar até hoje, detalhadamente, seu sofrimento, apontando com precisão os locais onde as tristes e sangrentas cenas aconteceram no início do século IV.

O culto ao mártir são Vítor, o Mouro, se espalhou pelo mundo católico do Ocidente e do Oriente, sendo invocado como o padroeiro dos prisioneiros e exilados.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Bonifácio IV, Agácio, Desiderato e Madalena de Canossa.
Fonte:Franciscanos.org.com