2ª-feira da 3ª Semana da Páscoa « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 01/05/2017

2ª-feira da 3ª Semana da Páscoa

outro1 de Maio de 2017

Cor: Branco

1ª Leitura (At 6,8-15)

Não conseguiam resistir à sabedoria
e ao Espírito com que ele falava.

Leitura dos Atos dos Apóstolos

Naqueles dias:
Estêvão, cheio de graça e poder,
fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.
Mas alguns membros da chamada Sinagoga dos Libertos,
junto com cirenenses e alexandrinos,
e alguns da Cilícia e da Ásia,
começaram a discutir com Estêvão.
Porém, não conseguiam
resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava.
Então subornaram alguns indivíduos, que disseram:
‘Ouvimos este homem dizendo blasfêmias
contra Moisés e contra Deus.’
Desse modo, incitaram o povo,
os anciãos e os doutores da Lei,
que prenderam Estêvão e o conduziram ao Sinédrio.
Aí apresentaram falsas testemunhas, que diziam:
‘Este homem não cessa de falar
contra este lugar santo e contra a Lei.
E nós o ouvimos afirmar que Jesus Nazareno
ia destruir este lugar e ia mudar os costumes
que Moisés nos transmitiu.’
Todos os que estavam sentados no Sinédrio
tinham os olhos fixos sobre Estêvão,
e viram seu rosto como o rosto de um anjo.
 – Palavra do Senhor.
 – Graças a Deus.

 


Salmo (Sl 118, 23-24. 26-27. 29-30 (R. 1b)

R. Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
Que os poderosos reunidos me condenem; *
o que me importa é o vosso julgamento!
Minha alegria é a vossa Aliança, *
meus conselheiros são os vossos mandamentos.R.

Eu vos narrei a minha sorte e me atendestes, *
ensinai-me, ó Senhor, vossa vontade!
Fazei-me conhecer vossos caminhos, *
e então meditarei vossos prodígios!R.

Afastai-me do caminho da mentira *
e dai-me a vossa lei como um presente!
Escolhi seguir a trilha da verdade, *
diante de mim eu coloquei vossos preceitos.R.


Evangelho (Jo 6,22-29)

Esforçai-vos não pelo alimento que se perde,
mas pelo alimento que permanece até a vida eterna.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João
Depois que Jesus saciara os cinco mil homens,
seus discípulos o viram andando sobre o mar.
No dia seguinte, a multidão
que tinha ficado do outro lado do mar
constatou que havia só uma barca
e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos,
mas que eles tinham partido sozinhos.
Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades,
perto do lugar onde tinham comido o pão
depois de o Senhor ter dado graças.
Quando a multidão viu
que Jesus não estava ali,
nem os seus discípulos,
subiram às barcas
e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.
Quando o encontraram no outro lado do mar,
perguntaram-lhe:
‘Rabi, quando chegaste aqui?’
Jesus respondeu:
‘Em verdade, em verdade, eu vos digo:
estais me procurando não porque vistes sinais,
mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos.
Esforçai-vos não pelo alimento que se perde,
mas pelo alimento que permanece até a vida eterna,
e que o Filho do homem vos dará.
Pois este é quem o Pai marcou com seu selo.’
Então perguntaram:
‘Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?’
Jesus respondeu:
‘A obra de Deus é que acrediteis
naquele que ele enviou’.
– Palavra da Salvação.
 – Gloria a Vós senhor.

 


Reflexão (Jo 6, 22-29)

Um dos caminhos que temos para conhecer melhor a pessoa de Jesus é o sacramento da eucaristia. Porém, esse caminho exige de todos nós uma postura de fé diante dele e uma abertura para as realidades que estão além da materialidade. As pessoas que só buscam a saciedade material e procuram Jesus apenas para a satisfação desse tipo de necessidade são incapazes de buscar o alimento que não se perde e que nos leva a reconhecer que Jesus é aquele que o Pai marcou com o seu selo. Essas pessoas não são capazes de ver que Jesus é o enviado do Pai e, por isso, não acreditam nele.


operarioSanto Do Dia

São José Operário

Pio XII, instituindo, em 1955, a festa de São José Operário quis oferecer ao trabalhador cristão um modelo e protetor. “Todo trabalho possui dignidade inalienável e, ao mesmo tempo, ligação íntima com a pessoa em seu aperfeiçoamento: nobre dignidade e prerrogativa, que não são de modo algum aviltadas pela fadiga e pelo peso que devem ser suportados como efeito do pecado original em obediência e submissão à vontade de Deus”, disse Pio XII.

Foi no dia 1º de maio de 1886, em Chicago, maior parque industrial dos Estados Unidos na época, que os operários de uma fábrica se revoltaram com a situação desumana a que eram submetidos e pelo total desrespeito à pessoa que os patrões demonstravam. Eram trezentos e quarenta em greve e a polícia, a serviço dos poderosos, massacrou-os sem piedade. Mais de cinquenta ficaram gravemente feridos e seis deles foram assassinados num confronto desigual. Em homenagem a eles é que se consagrou este dia.

São José é o modelo ideal do operário. Sustentou sua família durante toda a vida com o trabalho de suas próprias mãos, cumpriu sempre seus deveres para com a comunidade, ensinou ao Filho de Deus a profissão de carpinteiro e, dessa maneira suada e laboriosa, permitiu que as profecias se cumprissem e seu povo fosse salvo, assim como toda a humanidade.

Proclamando São José protetor dos trabalhadores, a Igreja quis demonstrar que está ao lado deles, os mais oprimidos, dando-lhes como patrono o mais exemplar dos seres humanos, aquele que aceitou ser o pai adotivo de Deus feito homem, mesmo sabendo o que poderia acontecer à sua família. José lutou pelos direitos da vida do ser humano e, agora, coloca-se ombro a ombro na luta pelos direitos humanos dos trabalhadores do mundo, por meio dos membros da Igreja que aumentam as fileiras dos que defendem os operários e seu direito a uma vida digna.

Muito acertada mais esta celebração ao homem “justo” do Evangelho, que tradicional e particularmente também é festejado no dia 19 de março, onde sua história pessoal é relatada.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Grata e Andéolo.
Fonte:Franciscanos.org.com