(49) 3442.0358

Liturgia diária › 20/11/2017

2ª-feira da 33ª Semana do Tempo Comum

a000420 de Novembro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (1Mc 1,10-15.41-43.54-57.62-64)

Uma cólera terrível se abateu sobre Israel.

Leitura do Primeiro Livro dos Macabeus
Naqueles dias:
Brotou uma raiz iníqüa,
Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco.
Estivera em Roma, como refém, e subiu ao trono
no ano cento e trinta e sete da era dos gregos.
Naqueles dias
apareceram em Israel pessoas ímpias,
que seduziram a muitos, dizendo:
‘Vamos fazer uma aliança com as nações vizinhas,
pois, desde que nos isolamos delas,
muitas desgraças nos aconteceram’.
Estas palavras agradaram,
e alguns do povo entusiasmaram-se
e foram procurar o rei,
que os autorizou a seguir os costumes pagãos.
Edificaram em Jerusalém um ginásio,
de acordo com as normas dos gentios.
Aboliram o uso da circuncisão
e renunciaram à aliança sagrada.
Associaram-se com os pagãos
e venderam-se para fazer o mal.
Então o rei Antíoco
publicou um decreto para todo o reino,
ordenando que todos formassem um só povo,
obrigando cada um a abandonar
seus costumes particulares.
Todos os pagãos acataram a ordem do rei
e inclusive muitos israelitas adotaram sua religião,
sacrificando aos ídolos e profanando o sábado.
No dia quinze do mês de Casleu,
no ano cento e quarenta e cinco,
Antíoco fez erigir sobre o altar dos sacrifícios
a Abominação da desolação.
E pelas cidades circunvizinhas de Judá
construíram altares.
Queimavam incenso
junto às portas das casas e nas ruas.
Os livros da Lei, que lhes caíam nas mãos,
eram atirados ao fogo, depois de rasgados.
Em virtude do decreto real,
era condenado à morte todo aquele
em cuja casa fosse encontrado um livro da Aliança,
assim como qualquer pessoa
que continuasse a observar a Lei.
Mas muitos israelitas resistiram
e decidiram firmemente não comer alimentos impuros.
Preferiram a morte
a contaminar-se com aqueles alimentos.
E, não querendo violar a aliança sagrada,
esses foram trucidados.
Uma cólera terrível se abateu sobre Israel.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 118 (119), 53. 61. 134. 150. 155. 158 (R. Cf.88)
R. Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!

Apodera-se de mim a indignação, *
vendo que os ímpios abandonam vossa lei.R.

Mesmo que os ímpios me amarrem com seus laços, *
nem assim hei de esquecer a vossa lei.R.

Libertai-me da opressão e da calúnia, *
para que eu possa observar vossos preceitos!R.

0Meus opressores se aproximam com maldade; *
como estão longe, ó Senhor, de vossa lei!R.

Como estão longe de salvar-se os pecadores, *
pois não procuram, ó Senhor, vossa vontade!R.

Quando vejo os renegados, sinto nojo, *
porque foram infiéis à vossa lei.R.


Evangelho (Lc 18,35-43)

O que queres que eu faça por ti?’
Senhor, eu quero enxergar de novo.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas
Quando Jesus se aproximava de Jericó,
um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas.
Ouvindo a multidão passar,
ele perguntou o que estava acontecendo.
Disseram-lhe que Jesus Nazareno
estava passando por ali.
Então o cego gritou:
‘Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!’
As pessoas que iam na frente
mandavam que ele ficasse calado.
Mas ele gritava mais ainda:
‘Filho de Davi, tem piedade de mim!’
Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele.
Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou:
‘O que queres que eu faça por ti?’
O cego respondeu:
‘Senhor, eu quero enxergar de novo.’
Jesus disse: ‘Enxerga, pois, de novo.
A tua fé te salvou.’
No mesmo instante, o cego começou a ver de novo
e seguia Jesus, glorificando a Deus.
Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Santo Do Dia.

Santo Edmundo Mártir

20Durante o século IX, os nórdicos ou dinamarqueses, cada vez com maior frequência, assolavam as costas da Inglaterra, até que, lá pela metade do século, “os pagãos começaram a hibernar em nosso país”. Nessa época, no dia de Natal de 855, a nobreza e o clero de Norfolk, reunidos em Attleborough, proclamaram Edmundo o seu rei, um jovem de catorze anos, o qual, no ano seguinte, foi reconhecido também pelos habitantes de Suffolk. Segundo consta, ele era talentoso e foi bem-sucedido, tanto como governante e ao mesmo tempo como homem virtuoso, aprendeu de cor todo o saltério, a fim de poder acompanhar o culto na igreja e imitar as boas ações do Rei Davi. Conforme escreveu o beneditino Lydgate, no século XV, ele, “em seu reino, era muito religioso e bondoso, cheio de alegria celestial, previdente no aconselhar, e mostrava muitos sinais de graça e de bem-aventurança … “.

Em seguida, houve a maior invasão dinamarquesa, como acontecera. Conforme atesta a Anglo-Saxon Chronicle: “no ano de 866, um grande exército (de dinamarqueses) invadiu o país dos anglos e estabeleceu o seu acampamento de inverno entre os anglos orientais, e lá eles arranjaram para si muitos cavalos. E os anglos orientais fizeram com eles um pacto de paz”. Em seguida, os invasores atravessaram o rio Humber e conquistaram York, e marchando para o sul, invadiram a Mércia e chegaram até Nottingham, pilhando e incendiando tudo em sua passagem e escravizando os seus habitantes. Em 870, as hostes inimigas atravessaram a Mércía e invadiram a Ânglia Oriental, e estabeleceram o seu acampamento de inverno em Thetford. “E naquele inverno, Edmundo lutou contra eles, e os dinamarqueses alcançaram a vitória e assassinaram o rei, subjugando todo o país e destruindo todos os mosteiros que encontravam à sua frente”.

O corpo do rei foi enterrado em Hoxne, e pelo ano de 903, foi trasladado para Beodricsworth, cidade atualmente conhecida como Bury St. Edmund’s (isto é, aldeia de S. Edmundo). Em 1010, durante as invasões dos dinamarqueses ele foi trasladado para a igreja do S. Gregório, perto da catedral de S. Paulo, em Londres, e três anos mais tarde, foi trazido de volta a Bury. Durante o reinado de Canuto, foi fundada a célebre abadia beneditina de S. Edmundsbury, e o corpo de S. Edmundo passou a ser a principal relíquia da igreja abacial.

A devoção a S. Edmundo o Mártir a princípio estava muito difundida e era muito popular na Inglaterra, inúmeras igrejas eram dedicadas em sua honra, e no século XIII e em período mais recente ainda, sua festa era dia santo de guarda. Atualmente, celebra-se a sua festa nas dioceses de Westminster e de Northampton, bem como entre os beneditinos ingleses.

A Igreja celebra também neste dia os santos: Ambrósio de Camaldoli e Otávio.

Fonte:franciscanos.org.com