2ª feira da 2ª Semana do Advento « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 05/12/2016

2ª feira da 2ª Semana do Advento

5 de Dezembro de 2016

Cor: Roxo

1ª Leitura (Is 35,1-10)

É Deus mesmo que vem para vos salvar.

Leitura do Livro do Profeta Isaías
cura_paraliticoAlegre-se a terra que era deserta e intransitável,
exulte a solidão e floresça como um lírio.
Germine e exulte
de alegria e louvores.
Foi-lhe dada a glória do Líbano,
o esplendor do Carmelo e de Saron;
seus habitantes verão a glória do Senhor,
a majestade do nosso Deus.
Fortalecei as mãos enfraquecidas
e firmai os joelhos debilitados.
Dizei às pessoas deprimidas:
‘Criai ânimo, não tenhais medo!
Vede, é vosso Deus,
é a vingança que vem, é a recompensa de Deus;
é ele que vem para vos salvar’.
Então se abrirão os olhos dos cegos
e se descerrarão os ouvidos dos surdos.
O coxo saltará como um cervo
e se desatará a língua dos mudos,
assim como brotarão águas no deserto
e jorrarão torrentes no ermo.
A terra árida se transformará em lago,
e a região sedenta, em fontes d’água;
nas cavernas onde viviam dragões
crescerá o caniço e o junco.
Ali haverá uma vereda e um caminho;
o caminho se chamará estrada santa:
por ela não passará o impuro;
mas será uma estrada reta
em que até os débeis não se perderão.
Ali não existem leões,
não andam por ela animais de predadores,
nem mesmo aparecem lá;
os que forem libertados, poderão percorrê-la,
os que o Senhor salvou, voltarão para casa.
Eles virão a Sião cantando louvores,
com infinita alegria brilhando em seus rostos:
cheios de gozo e contentamento,
não mais conhecerão a dor e o pranto.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 84 (85),9ab-10. 11-12. 13-14 (R. Is 35,4d)

R. Eis que vem o nosso Deus! Ele vem para salvar.

Quero ouvir o que o Senhor irá falar:
é a paz que ele vai anunciar;
a paz para o seu povo e seus amigos,
para os que voltam ao Senhor seu coração.
Está perto a salvação dos que o temem,
e a glória habitará em nossa terra.

A verdade e o amor se encontrarão,
a justiça e a paz se abraçarão;
da terra brotará a fidelidade,
e a justiça olhará dos altos céus.

O Senhor nos dará tudo o que é bom,
e a nossa terra nos dará suas colheitas;
a justiça andará na sua frente
e a salvação há de seguir os passos seus.


Evangelho (Lc 5,17-26)

Hoje vimos coisas maravilhosas!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas

Um dia Jesus estava ensinando.
À sua volta estavam sentados fariseus e doutores da Lei,
vindos de todas as aldeias
da Galiléia, da Judéia e de Jerusalém.
E a virtude do Senhor o levava a curar.
Uns homens traziam um paralítico num leito
e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo.
Mas, não achando por onde introduzi-lo,
devido à multidão, subiram ao telhado
e por entre as telhas o desceram com o leito
no meio da assembléia diante de Jesus.
Vendo-lhes a fé, ele disse:
Homem, teus pecados estão perdoados.
Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo:
Quem é este que assim blasfema?
Quem pode perdoar os pecados senão Deus?
Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo:
‘Por que murmurais em vossos corações?
O que é mais fácil dizer:
‘teus pecados estão perdoados’,
ou dizer: ‘levanta-te e anda’?
Pois, para que saibais que o Filho do homem
tem na terra poder de perdoar os pecados
– disse ao paralítico – eu te digo:
levanta-te, pega o leito e vai para casa’.
Imediatamente, diante deles, ele se levantou,
tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus.
Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus
e cheios de temor diziam:
‘Hoje vimos coisas maravilhosas!’
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


Reflexão (Lc 5, 17-26)

Nós temos muitas dificuldades para vermos os verdadeiros valores que devem marcar a existência humana e, por isso, não damos importância a eles e até mesmo fechamos o nosso coração à ação divina, dificultando a sua realização. É o caso do Evangelho de hoje, no qual a importância maior é dada para a cura do corpo, sem levar em consideração a cura espiritual e o julgamento de que esta é impossível. Os tempos messiânicos são a expressão da verdadeira hierarquia de valores, na qual os perenes estão acima dos temporais.

 

Comentário do dia por São Pedro Crisólogo (c. 406-450)
Bispo de Ravena, Doutor da Igreja
Sermão 50; PL 52, 339

«Que estais a pensar nos vossos corações?»

Por causa da fé de outrem, a alma do paralítico ia ser curada antes do seu corpo. «Ao ver a fé daquela gente», diz o evangelho. Notai aqui, irmãos, que Deus não Se preocupa com o que querem os homens insensatos, nem espera encontrar fé entre os ignorantes […], ou entre os que se portam mal. Pelo contrário, não recusa vir em socorro da fé de outrem. Esta fé é um presente da graça e está de acordo com a vontade de Deus. […] Na sua divina bondade, este médico que é Cristo tenta atrair à salvação, mesmo contra a vontade, aqueles que foram atingidos pelas doenças da alma, esmagados até ao delírio pelo peso dos seus pecados e das suas faltas. Mas eles não querem deixar-se mover.

Ó meus irmãos, se nós quiséssemos, se quiséssemos todos ver até ao fundo a paralisia da nossa alma! Notaríamos que, privada de forças, ela jaz num leito de pecados. A ação de Cristo seria para nós uma fonte de luz. Compreenderíamos que Ele olha todos os dias para a nossa falta de fé, que nos é tão prejudicial, que Ele nos conduz para os remédios da salvação e pressiona veementemente a nossa vontade rebelde. «Meu filho», diz Ele, «os teus pecados estão perdoados.»


Santo Do Dia

sabasSão Sabas

A descrição do martírio de Sabas foi feita em uma carta, logo após sua morte, pelo governo dos Gothes ao norte do Danúbio. São Jerônimo conta que o Rei Athanaric iniciou a perseguição aos cristãos em 370. Sabas nasceu no ano de 439 na Capadócia e foi convertido ao cristianismo desde jovem.

A disputa dos parentes por sua herança o levou a procurar ajuda num mosteiro, onde foi acolhido apesar de ser ainda uma criança. Apesar de pouca instrução, tornou-se um sábio na doutrina cristã. Dividiu tudo o que herdou entre os cristãos pobres e doentes. Trabalhou na conversão de seus conterrâneos e ajudando os cristãos perseguidos em sua pátria. Era, antes de tudo, um caridoso e valente.

Experimentou a vida monástica cenobítica, ou seja, comunitária; depois passou para o mosteiro dos anacoretas, onde os monges se nutrem na solidão, preferindo esta última.

Naquela época, havia o decreto de que cristãos, para serem poupados, deveriam comer a carne dos animais mortos aos deuses pagãos. Muitos se utilizavam da estratégia de enganar os guardas, dando de comer aos familiares carnes comuns, e não as desses sacrifícios, salvando os familiares do martírio. Mas Sabas se recusava a mentir, chegando a protestar em público contra tal prática.

Quando as perseguições se acentuaram, Sabas já gozava de muito prestígio, pois tinha fundado uma grande comunidade de monges anacoretas no vale de Cedron, na Palestina, chamada de “grande Laura”. Ela começou naturalmente, com os eremitas ocupando as cavernas ao redor daquela em que vivia, isolado com os animais, e construíram um oratório. Foi assim que surgiu o que seria no futuro o Mosteiro de São Sabas.

A fama dos prodígios que alcançava através das orações e também a grande sabedoria sobre a doutrina de Cristo, que tão bem defendia, fizeram essa comunidade crescer muito. A ele se atribui o fim de uma longa e calamitosa seca. Ocupava uma posição de liderança importante dentro da sociedade e do clero. A eloquência da sua pregação do Evangelho atraía cada vez mais os pagãos à conversão. Sabas, então, já incomodava o poder pagão como autoridade cristã.

Interferiu junto ao imperador, em Constantinopla, a favor dos mais pobres, contra os impostos. Organizou e liderou um verdadeiro e próprio exercito de monges anacoretas para dar apoio ao papa contra a heresia monofisista que agitou a Igreja do Oriente.

Morreu em 5 de dezembro de 532, na Palestina, aos noventa e três anos de idade. São Sabas está presente na relação dos grandes sacerdotes fundadores do monaquismo da Palestina. A festa em sua honra ocorre no dia de sua morte.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Crispina, Dalmácio e Nicécio.

 

Fonte: Franciscanos.org.br