2ª-feira da 25ª Semana do Tempo Comum « Paróquia Nossa Senhora do Rosário

(49) 3442.0358

Liturgia diária › 25/09/2017

2ª-feira da 25ª Semana do Tempo Comum

alampada25 de Setembro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Esd 1,1-6)

Quem, dentre vós todos, pertence ao povo de Deus
suba a Jerusalém e construa o templo do Senhor.

Início do Livro de Esdras
No primeiro ano do reinado de Ciro, rei da Pérsia,
para que se cumprisse a palavra do Senhor
pronunciada pela boca de Jeremias,
o Senhor moveu o espírito de Ciro, rei da Pérsia,
que mandou publicar em todo o seu reino,
de viva voz e por escrito,
a seguinte proclamação:
‘Assim fala Ciro, rei da Pérsia:
O Senhor, Deus do Céu, me deu todos os reinos da terra
e me encarregou de lhe construir
um templo em Jerusalém, na terra de Judá.
Quem, dentre vós todos, pertence ao seu povo?
Que o Senhor, seu Deus, esteja com ele,
e que se ponha a caminho e suba a Jerusalém,
e construa o templo do Senhor, Deus de Israel,
o Deus que está em Jerusalém.
E a todos os sobreviventes, onde quer que residam,
as pessoas do lugar proporcionem
prata, ouro, bens e animais,
além de donativos espontâneos
para o templo de Deus, que está em Jerusalém’.
Então se levantaram
os chefes de família de Judá e de Benjamim,
os sacerdotes e os levitas,
todos aqueles que se sentiram inspirados por Deus
para ir edificar o templo do Senhor,
que está em Jerusalém.
E todos os seus vizinhos lhes trouxeram
toda a espécie de ajuda em prata, ouro, bens,
animais e objetos preciosos,
sem falar em todas as doações espontâneas.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 125 (126),1-2ab.2cd-3. 4-5. 6 (R. 3a)

R. Maravilhas fez conosco o Senhor,!

 
Quando o Senhor reconduziu nossos cativos,*
parecíamos sonhar;
encheu-se de sorriso nossa boca,*
nossos lábios, de canções.R.

Entre os gentios se dizia: ‘Maravilhas*
fez com eles o Senhor!’
Sim, maravilhas fez conosco o Senhor,*
exultemos de alegria!R.

Mudai a nossa sorte, ó Senhor,*
como torrentes no deserto.
Os que lançam as sementes entre lágrimas,*
ceifarão com alegria.R.

Chorando de tristeza sairão,*
espalhando suas sementes;
cantando de alegria voltarão,*
carregando os seus feixes!R.


Evangelho (Lc 8,16-18)

Coloca a lâmpada no candeeiro,
a fim de que todos os que entram, vejam a luz.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus à multidão:
Ninguém acende uma lâmpada
para cobri-la com uma vasilha
ou colocá-la debaixo da cama;
ao contrário, coloca-a no candeeiro,
a fim de que todos os que entram, vejam a luz.
Com efeito, tudo o que está escondido
deverá tornar-se manifesto;
e tudo o que está em segredo deverá tornar-se conhecido
e claramente manifesto.
Portanto, prestai atenção à maneira como vós ouvis!
Pois a quem tem alguma coisa, será dado ainda mais;
e àquele que não tem,
será tirado até mesmo o que ele pensa ter.’
– Palavra da Salvação.
– Gloria a Vós Senhor.


asantaSanto Do Dia

Santa Aurélia e Santa Neomísia

25Aurélia nasceu na Ásia Menor, no Oriente e era muito unida à sua irmã Neomisia. Elas costumavam procurar pobres e doentes pelas ruas para fazer-lhes caridade. E assim fizeram durante toda a adolescência, mantendo-se muito piedosas e fervorosas cristãs. Aurélia sempre dizia à irmã que, ao atingirem a idade suficiente, iriam visitar todos os lugares sagrados da Palestina, em uma longa peregrinação.

De fato, Aurélia e Neomísia foram para a Terra Santa e viram onde Jesus nasceu e viveu. Depois, fizeram todo o trajeto percorrido por ele até o monte Calvário, onde foi crucificado e morreu para salvar-nos. Aurélia, envolvida pela religiosidade da região e com o sentimento da fé reforçado, decidiu continuar a peregrinação até Roma. Assim, visitaria o célebre santuário da cristandade do Ocidente, sempre acompanhada pela irmã.

Elas não sabiam que os sarracenos muçulmanos estavam invadindo várias regiões italianas e que, avançando, já tinham atacado e devastado a Calábria e a Lucânia. Quando chegaram a Roma, as duas foram surpreendidas, na via Latina, por um grupo de invasores, que as identificaram como cristãs. Ambas foram agredidas e chicoteadas até quase à morte. Mas um fortíssimo temporal dispersou os perseguidores, que abandonaram o local. Por isso as duas foram libertadas e puderam seguir com sua viagem.

Mas, estando muito feridas, resolveram estabelecer-se na pequena Macerata, situada aos pés de uma colina muito perto da cidade de Anagni. Lá, elas retomaram a vida de caridade, oração e penitência, sempre auxiliando e socorrendo os pobres, velhos e doentes. Aurélia também tinha os dons da cura e da profecia. Assim, a fama de santidade das duas irmãs cristãs difundiu-se entre a população. Diz a tradição que Aurélia salvou os fiéis da paróquia daquela diocese. Foi num domingo de chuva, ela correu para avisar o padre que parasse a missa, pois iria cair um raio sobre a igreja. O padre, inspirado pelo Espírito Santo, ouviu seu conselho e os fiéis já estavam a salvo quando o incidente aconteceu.

Aurélia e a irmã adoeceram e morreram no mesmo dia, 25 de setembro, de um ano não registrado. Os seus corpos foram sepultados na igreja de Macerata. Mais tarde, o bispo daquela diocese, aproveitando a visita do papa Leão IX à cidade, preparou uma cerimônia solene para trasladar as relíquias das duas irmãs para a catedral de Anagni. Outra festa foi preparada quando a reconstrução da catedral terminou. Então, as relíquias de Aurélia e Neomísia foram colocadas na cripta de são Magno, logo abaixo do altar dedicado a ele.

O culto a santa Aurélia é um dos mais propagados e antigos da tradição romana. Ao longo dos séculos, Aurélia deu nome a gerações inteiras de cristãs, que passaram a festejar a santa de seu onomástico como protetora pessoal. De modo que a festa de santa Aurélia, no dia 25 de setembro, foi introduzida no calendário litúrgico da Igreja pela própria diocese de Anagni. O único texto que registrou esta tradição faz parte do Cod. Chigiano C.VIII. 235, escrito no início do século XIV. Somente em 1903 o culto obteve a confirmação canônica. Assim, as urnas contendo as relíquias das irmãs são expostas aos devotos e peregrinos durante a celebração litúrgica. Contudo há um fato curioso que ocorre nesta tradição desde o seu início. É que a maioria dos devotos só lembra que é o dia da festa de santa Aurélia, e apenas a ela agradecem pela intercessão nas graças alcançadas.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Cléofas e Vicente Stambi.