(49) 3442.0358

Liturgia diária › 21/10/2017

29º Domingo do Tempo Comum

cesar22 de Outubro de 2017

Cor: Verde

1ª Leitura (Is 45,1.4-6)

Tomei Ciro pela mão direita, para que
submeta os povos ao seu domínio.

Leitura do Livro do Profeta Isaías
Isto diz o Senhor sobre Ciro, seu Ungido:
‘Tomei-o pela mão
para submeter os povos ao seu domínio,
dobrar o orgulho dos reis,
abrir todas as portas à sua marcha,
e para não deixar trancar os portões.
Por causa de meu servo Jacó,
e de meu eleito Israel, chamei-te pelo nome;
reservei-te, e não me reconheceste.
Eu sou o Senhor, não existe outro:
fora de mim não há deus.
Armei-te guerreiro, sem me reconheceres,
para que todos saibam, do oriente ao ocidente,
que fora de mim outro não existe.
Eu sou o Senhor, não há outro.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Salmo (Sl 95,1.2a.3.4-5.7-8.9-10a.c (R. 7ab)

R. ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

Cantai ao Senhor Deus um canto novo,*
acantai ao Senhor Deus, ó terra inteira!
manifestai a sua glória entre as nações,*
e entre os povos do universo seus prodígios!R.

Pois Deus é grande e muito digno de louvor,*
é mais terrível e maior que os outros deuses,
porque um nada sóo os deuses dos pagãos.
Foi o Senhor e nosso Deus quem fez os céus.R.

 família das nações, dai ao Senhor,*
ó nações, dai ao Senhor poder e glória,*
dai-lhe a glória que é devida ao seu nome!
Oferecei um sacrifício nos seus átrios.R.

Adorai-o no esplendor da santidade, *
terra inteira, estremecei diante dele!
Publicai entre as nações: ‘Reina o Senhor!’*
pois os povos ele julga com justiça.R.


2ª Leitura (1Ts 1,1-5b)

Recordamos sem cessar da vossa
fé, da caridade e da esperança.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses
Paulo, Silvano e Timóteo,
à igreja dos tessalonicenses,
reunida em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo:
a vós, graça e paz!
Damos graças a Deus por todos vós,
lembrando-vos sempre em nossas orações.
Diante de Deus, nosso Pai,
recordamos sem cessar a atuação da vossa fé,
o esforço da vossa caridade e a firmeza da vossa
esperança em nosso Senhor Jesus Cristo.
Sabemos, irmãos amados por Deus,
que sois do número dos escolhidos.
Porque o nosso evangelho não chegou até vós
somente por meio de palavras,
mas também mediante a força que é o Espírito Santo;
e isso, com toda a abundância.
– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.


Evangelho (Mt 22,15-21)

Dai, pois, a César o que é de
César e a Deus o que é de Deus.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus
Naquele tempo:
Os fariseus fizeram um plano
para apanhar Jesus em alguma palavra.
Então mandaram os seus discípulos,
junto com alguns do partido de Herodes,
para dizerem a Jesus:
‘Mestre, sabemos que és verdadeiro
e que, de fato, ensinas o caminho de Deus.
Não te deixas influenciar pela opinião dos outros,
pois não julgas um homem pelas aparências.
Dize-nos, pois, o que pensas:
É lícito ou não pagar imposto a César?’
Jesus percebeu a maldade deles e disse: ‘Hipócritas!
Por que me preparais uma armadilha?
Mostrai-me a moeda do imposto!’
Trouxeram-lhe então a moeda.
E Jesus disse:
‘De quem é a figura e a inscrição desta moeda?’
Eles responderam: ‘De César.’
Jesus então lhes disse:
‘Dai pois a César o que é de César,
e a Deus o que é de Deus.’
Palavra da Salvação.
Gloria a vós Senhor.


joaoSanto do Dia.

São João Paulo II
joao_paulo_221016

A Igreja Católica celebra hoje, 22 de outubro, a memória litúrgica de João Paulo II, data que marca o dia de início do pontificado de Karol Wojtyla, em 1978.

Karol Józef WoJtyła, eleito Papa a 16 de outubro de 1978, nasceu em Wadowice (Polônia), a 18 de maio de 1920. Foi o segundo de dois filhos de Karol Wojtyła e de Emília Kaczorowska, que faleceu em 1929. O seu irmão mais velho, Edmund, médico, morre em 1932, e o seu pai, oficial do Exército, em 1941.

Aos nove anos recebeu a Primeira Comunhão e aos dezoito o sacramento da Confirmação. Terminados os estudos na Escola Superior de Wadowice, inscreveu-se em 1938 na Universidade Jagellónica de Cracóvia.

Depois de as forças ocupantes nazis encerrarem a Universidade em 1939, o jovem Karol trabalhou (1940-1944) numa mina e, posteriormente, na fábrica química Solvay, para poder sustentar-se e evitar a deportação para a Alemanha.

A partir de 1942, sentindo-se chamado ao sacerdócio, frequentou o Curso de Formação do Seminário Maior clandestino de Cracóvia, dirigido pelo Arcebispo local, o Cardeal Adam Stefan Sapieha. Simultaneamente, foi um dos promotores do «Teatro Rapsódico», também este clandestino.

Depois da guerra, continuou os estudos no Seminário Maior de Cracóvia, novamente aberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagellónica, até à sua ordenação sacerdotal em Cracóvia a 1 de novembro de 1946. Depois foi enviado pelo Cardeal Sapieha a Roma, onde obteve o doutoramento em Teologia (1948), com uma tese sobre o conceito da fé nas obras de São João da Cruz. Naquele período – durante as suas férias – exerceu o ministério pastoral entre os emigrantes polacos na França, Bélgica e Holanda.

Em 1948, regressou à Polônia e foi coadjutor, primeiro na paróquia de Niegowić, próxima de Cracóvia, e depois na de São Floriano, na própria cidade. Foi capelão universitário até 1951, quando retomou os seus estudos filosóficos e teológicos. Em 1953 apresentou na Universidade Católica de Lublin uma tese sobre a possibilidade de fundar uma ética cristã a partir do sistema ético de Max Scheler. Mais tarde, tornou-se professor de Teologia Moral e Ética no Seminário Maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin.

Em 4 de julho de 1958, o Papa Pio XII nomeou-o Bispo Auxiliar de Cracóvia e Titular de Ombi. Recebeu a ordenação episcopal em 28 de setembro de 1958 na Catedral de Wawel (Cracóvia), das mãos do Arcebispo Eugeniusz Baziak.

A 13 de janeiro de 1964 foi nomeado Arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o criou Cardeal a 26 de junho de 1967.

Foi eleito Papa em 16 de outubro de 1978 e, em 22 de outubro, deu início ao seu ministério de Pastor Universal da Igreja.

Morreu em Roma, no Palácio Apostólico do Vaticano, às 21.37h de sábado 2 de abril de 2005, vigília do Domingo in Albis e da Divina Misericórdia, por ele instituído. Os funerais solenes na Praça de São Pedro e a sepultura nas Grutas Vaticanas foram celebrados a 8 de abril.

As informações citadas constam na breve biografia oficial oferecida no Livreto da Celebração da Beatificação de João Paulo II.

Seis anos após seu falecimento, no dia 1° de maio de 2011, sua beatificação foi proclamada pelo Papa Bento XVI.

No dia 27 de abril de 2014, Domingo da Divina Misericórdia, segundo domingo de Páscoa, João Paulo II juntamente com o Papa João XXIII teve sua canonização proclamada pelo Papa Francisco, tendo o papa emérito, Bento XVI, como concelebrante.

A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: São Donato, Maria Salomé, Josefina Leroux e Melânio.

Fonte:Franciscanos.org.com